In the Court of the Crimson King

Aspeto mover para a barra lateral ocultar
In The Court Of The Crimson King
In the Court of the Crimson King
Álbum de estúdio de King Crimson
Lançamento 10 de Outubro de 1969
Gravação Junnho – Agosto de 1969
Estúdio(s) Wessex, Londres
Gênero(s) Rock Progressivo
Duração 43:56
Gravadora(s) Island, Atlantic, E.G.
Produção King Crimson
Cronologia de King Crimson
In the Wake of Poseidon
(1970)
Singles de In the Court of the Crimson King
  1. "The Court of the Crimson King"
    Lançamento: Outubro de 1969 (UK)

In The Court Of The Crimson King (com subtítulo de An Observation by King Crimson) é o álbum de estréia da banda de rock inglesa King Crimson. Foi lançado em 10 de Outubro de 1969 pela Island Records. O álbum é um dos primeiros e mais influentes do rock progressivo, onde foram combinadas as influências musicais nas quais o rock foi fundado com elementos de jazz e da música clássica.

Produção

Composição

A música "I Talk to the Wind" foi escrita para o grupo predecessor do King Crimson, Giles, Giles e Fripp (a única música do álbum em que esse era o caso), mas foi mantida pelo King Crimson para mostrar o lado suave do grupo. De acordo com o letrista Peter Sinfield, a música foi influenciada por Joni Mitchell; em uma entrevista de 1997, ele disse que ainda é sua letra favorita.

"The Court of the Crimson King" foi escrita pelo tecladista Ian McDonald e Sinfield para seu grupo anterior, The Creation, e era uma música country antes de se tornar um rock progressivo.

Gravação

Várias fontes afirmam que King Crimson fez sua estreia ao vivo em 9 de abril de 1969 no The Speakeasy Club em Londres, mas o King Crimson havia feito um show anterior em fevereiro de 1969 no clube Change Is em Newcastle. O show do Speakeasy Club, que Sinfield descreve como o segundo, foi destruído por membros do The Pink Fairies Drinking Club. O King Crimson abriu um show para os Rolling Stones no Hyde Park, em julho de 1969, para cerca de 250.000 a 500.000 pessoas, o que atraiu atenção positiva.

As sessões iniciais do álbum foram realizadas no início de 1969 com o produtor Tony Clarke, mais famoso por seu trabalho com The Moody Blues. Depois que essas sessões não deram certo, o grupo recebeu permissão para produzir o álbum por conta própria. O álbum foi gravado em um gravador de 8 canais de 1" no Wessex Sound Studios em Londres, projetado por Robin Thompson e assistido por Tony Page. A fim de alcançar os sons exuberantes e orquestrais característicos do álbum, Ian McDonald passou muitas horas dobrando camadas de Mellotron e vários instrumentos de sopro e palheta. Em alguns casos, a banda passou por 5 gerações de fitas para atingir faixas com camadas profundas e seguidas.

Enquanto supervisionava um corte de masterização, Ian McDonald descobriu que a cópia mestre tinha um problema e porque as fitas mestre de primeira geração estavam faltando desde 1969, esse problema foi compensado pela EQ até 2002. Fripp especulou que o problema foi causado por engenheiros de masterização incompetentes ou "algumas fitas foram masterizadas em diferentes países em máquinas que não eram muito bem mantidas ou de cópias feitas no país de origem (normalmente EUA ou Reino Unido no caso dorock) onde a segunda máquina foi mantida/monitorada inadequadamente. Essas fitas foram enviadas para países licenciados que não tinham medida adequada de comparação e confiaram no material de origem do escritório da gravadora. Máquinas de fita rodando em diferentes velocidades ocasionalmente resultavam em álbuns alguns segundos mais curtos/longos". As fitas mestre da primeira geração foram encontradas nos arquivos da Virgin em 2002.

Capa

Capa do álbum em uma loja em Amsterdã, Países Baixos

Barry Godber (1946–1970), um programador amigo de Sinfield, pintou o design da capa do álbum. Ele usou seu próprio rosto, visto através de um espelho, como modelo. Godber morreu em Fevereiro de 1970 de um ataque cardíaco, logo após o lançamento do álbum. Foi a capa de seu único álbum; a pintura original é agora propriedade de Robert Fripp. Fripp disse sobre a capa de Godber:

Peter trouxe esta pintura e a banda adorou. Recentemente, recuperei o original da gravadora porque eles à deixavam exposto sob luz forte, sob risco de estragar, então acabei removendo. O rosto do lado de fora é o Homem Esquizóide, e por dentro é o Rei Carmesim. Se você cobrir o rosto sorridente, os olhos revelam uma tristeza incrível. O que se pode acrescentar? Isso reflete a música.

Lançamento

O álbum alcançou a posição 5 no UK Albums Chart e a 28 na Billboard 200, onde ganhou certificação Ouro pela Recording Industry Association of America.

Recepção

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
All About Jazz 5 de 5 estrelas.
AllMusic 5 de 5 estrelas.
Classic Rock 9 de 10 estrelas.
Encyclopedia of Popular Music 5 de 5 estrelas.
The Great Rock Discography 9/10
Mojo 5 de 5 estrelas.
MusicHound 4 de 5 estrelas.
Pitchfork 10/10
The Rolling Stone Album Guide 3.5 de 5 estrelas.
The Village Voice D+

In The Court Of The Crimson King foi aclamado pela imprensa musical britânica. Na NME, Nick Logan disse que embora o álbum não tivesse o impacto de seus shows ao vivo, as diversas influências musicais do pop, jazz e música clássica produziram um resultado "totalmente original e sempre cativante", e afirmando que "King Crimson, nesta exibição, eles têm que ser enormes." Melody Maker também notou que o álbum não capturou totalmente o poder das apresentações ao vivo da banda, mas que "ainda tem um tremendo impacto" e que "este é um que você deveria tentar ouvir". Disc and Music Echo descreveu o álbum como "uma mistura brilhante de melodia e loucura, rápido e lento, atmosférico e elétrico, tudo intensificado pelas palavras de Peter Sinfield". A revista afirmou que "isso deve ser ouvido como uma entidade completa" e concluiu que "estabeleceria King Crimson como um grande talento". Nos Estados Unidos, John Morthland, da Rolling Stone, disse que King Crimson "combinou aspectos de muitas formas musicais para criar um trabalho surreal de força e originalidade". No entanto, o crítico do Village Voice, Robert Christgau, chamou o álbum de "merda ersatz".

Críticas posteriores do álbum foram positivas, com AllMusic elogiando-o, "embora de uma forma profética, King Crimson projetou uma marca mais sombria e ousada de rock pós-psicodélico" em sua crítica original de Lindsay Planer, e chamando-o de "definitivo" e "ousado" em sua revisão atual. Nas críticas do Classic Rock sobre as reedições de King Crimson em 2009, Alexander Milas descreveu como o álbum que "explodiu as portas da convenção musical e consolidou o lugar desses inovadores quintessencialmente britânicos na história do rock de todos os tempos".

Em seu livro Rocking the Classics de 1997, o crítico e musicólogo Edward Macan observa que In the Court of the Crimson King "pode ​​ser o álbum de rock progressivo mais influente já lançado". Macan continuou argumentando que In the Court of the Crimson King apresentou um exemplo de cada elemento significativo de um gênero de rock progressivo maduro. Além disso, Macan menciona que o álbum aglutina tropos e convenções do rock progressivo, alguns dos quais só seriam estabelecidos no futuro, em um único meio congestionável. O impacto desses desenvolvimentos, em seus olhos, é o álbum representando, mas também influenciando o impacto musical geral do rock progressivo como um todo nas próximas décadas. Paul Stump's History of Progressive Rock, publicado no mesmo ano, afirmou que "Se pode-se dizer que o rock progressivo como um gênero discreto teve um ponto de partida, provavelmente é In the Court of the Crimson King. Todos os elementos que caracterizam a maturidade do Progressivo estão presentes: as influências do jazz e do blues são subservientes a um intenso rigor composicional caracterizado por arranjos sinfônicos clássicos ocidentais induzidos por Mellotron... totalmente inofensivo para qualquer ouvinte clássico ou pop." Stump comentou ainda que, embora o álbum seja definido pela sensibilidade de vanguarda e arranjos sutis, ele ainda se comunica por meio da linguagem acessível dos roqueiros.

Legado

Pete Townshend, do The Who, foi citado chamando o álbum de "uma obra-prima misteriosa". No Q & Mojo Classic Special Edition Pink Floyd & The Story of Prog Rock, o álbum ficou em quarto lugar em sua lista de "40 álbuns de rock cósmico". O álbum foi nomeado como um dos "50 álbuns que construíram o rock progressivo" da revista Classic Rock. Em 2014, os leitores da Rhythm o elegeram como o oitavo maior álbum de bateria da história do rock progressivo. Em 2015, a Rolling Stone nomeou In The Court Of The Crimson King o segundo maior álbum de rock progressivo de todos os tempos, atrás de The Dark Side of the Moon do Pink Floyd. O álbum também faz parte do livro 1001 Albums You Must Hear Before You Die. Foi eleito o número 193 em All Time Top 1000 Albums de Colin Larkin.

O artista de rap Kanye West usou samples de "21st Century Schizoid Man" em sua canção "Power", de seu álbum de 2010 My Beautiful Dark Twisted Fantasy. Em um processo de 2022 da Declan Colgan Music Ltd, os proprietários da licença mecânica da música alegaram que West a havia sampleada sem licença.

Lista De Faixas

Lado Um
N.º Título Duração
1. "21st Century Schizoid Man (including "Mirrors")"   7:24
2. "I Talk to the Wind"   6:04
3. "Epitaph (including "March for No Reason" and "Tomorrow and Tomorrow")"   8:49
Duração total: 22:17
Lado Dois
N.º Título Duração
4. "Moonchild (including "The Dream and The Illusion")"   12:13
5. "The Court of the Crimson King (including "Return of the Fire Witch" and "Dance of the Puppets")"   9:26*
Duração total: 21:39

Ficha Técnica

King Crimson

Produção

Referências

  1. a b c d Stump, Paul (1997). The Music's All that Matters: A History of Progressive Rock. : Quartet Books Limited. pp. 52–54. ISBN 0-7043-8036-6 
  2. Robin Bell (20 de Junho de 2017). The History of British Rock and Roll: The Psychedelic Years 1967 – 1969. p. 458. ISBN 9789198191684 
  3. Vibeindex (video) "The History of King Crimson (1969)"
  4. Stump, Paul (1997). The Music's All that Matters: A History of Progressive Rock. : Quartet Books Limited. p. 35. ISBN 0-7043-8036-6 
  5. Hank Shteamer (14 de Janeiro de 2019). «Flashback: King Crimson Open for the Rolling Stones in Hyde Park». Rolling Stone 
  6. Vulliamy, Ed; Beaumont, Peter; Reidy, Tess (7 de Abril de 2013). «Hyde Park, 1969: the counterculture's greatest day. And the Rolling Stones came too». The Guardian 
  7. Sleeve notes on original Island Records (ILPS-9111) release.
  8. «Interview: Steven Wilson on the King Crimson 40th Anniversary Reissue Project». Musoscribe: Bill Kopp's Music Magazine. 24 de Janeiro de 2011 
  9. Fripp, Robert (1 de Outubro de 2008). «Robert Fripp's Diary: DGM HQ.». dgmlive.com. Consultado em 22 de Novembro de 2021 
  10. Fripp, Robert (20 de Janeiro de 2006). «Robert Fripp's Diary: DGM HQ.». dgmlive.com 
  11. Singleton, David (27 de março de 2002). «David Singleton's Diary: Today at the Vicarage». dgmlive.com 
  12. Fripp, Robert (15 de dezembro de 2003). «Robert Fripp's Diary: A day gentling with The Horse in Canterbury.». dgmlive.com 
  13. «Barry Godber (English, 1946–1970)». Batguano.com. Consultado em 19 de Maio de 2018 
  14. «Interview with Robert Fripp in Rock and Folk». Elephant-talk.com. Consultado em 19 de maio de 2018 
  15. «Artists». www.officialcharts.com. Consultado em 10 de abril de 2023 
  16. «King Crimson». Billboard (em inglês). Consultado em 10 de abril de 2023 
  17. «Gold & Platinum». RIAA (em inglês). Consultado em 10 de abril de 2023 
  18. Kelman, John (14 de novembro de 2009). «King Crimson: In The Court of the Crimson King (40th Anniversary Series)». Allaboutjazz.com. All About Jazz. Consultado em 3 de abril de 2018. Arquivado do original em 29 de julho de 2014 
  19. Eder, Bruce. «In the Court of the Crimson King». AllMusic. Consultado em 10 de janeiro de 2012 
  20. a b Milas, Alexander (novembro de 2009). «King Crimson – Reissues». Classic Rock (138). p. 95 
  21. Larkin, Colin (2011). Encyclopedia of Popular Music 5th ed. : Omnibus Press. ISBN 978-0857125958 
  22. Martin C. Strong (1998). The Great Rock Discography 1st ed. : Canongate Books. ISBN 978-0-86241-827-4 
  23. Mike Barnes (novembro de 2009). «Royal Flush». London: Bauer Media Group. Mojo (192): 106. ISSN 1351-0193 
  24. Gary Graff, ed. (1996). MusicHound Rock: The Essential Album Guide 1st ed. London: Visible Ink Press. ISBN 978-0-7876-1037-1 
  25. Reed, Ryan (11 de novembro de 2019). «King Crimson: In the Court of the Crimson King (50th Anniversary)». Pitchfork. Consultado em 11 de novembro de 2019 
  26. DeCurtis, Anthony; Henke, James; George-Warren, Holly (1992). The Rolling Stone Album Guide. : Random House. ISBN 0-679-73729-4 
  27. Christgau, Robert (11 de dezembro de 1969). «Consumer Guide (5): King Crimson: In the Court of the Crimson King». The Village Voice. Consultado em 5 de dezembro de 2011 – via robertchristgau.com 
  28. «King Crimson at Last». NME. 18 de Outubro de 1969. p. 12 
  29. «King Crimson: In the Court of the Crimson King». Melody Maker. 25 de Outubro de 1969. p. 29 
  30. «King Crimson: In the Court of the Crimson King». Disc and Music Echo. 25 de Outubro de 1969. p. 19 
  31. Morthland, John (27 de Dezembro de 1969). «King Crimson In the Court of the Crimson King > Album Review». Rolling Stone (49). Consultado em 24 de Setembro de 2007. Cópia arquivada em 22 de Outubro de 2007 
  32. «Robert Christgau: Consumer Guide (5): Dec. 11, 1969». www.robertchristgau.com. Consultado em 10 de abril de 2023 
  33. Macan, Edward (1997). Rocking the Classics: English Progressive Rock and the Counterculture, Oxford University Press, ISBN 0-19-509888-9, p. 23.
  34. «King Crimson biography». Discipline Global Mobile (dgmlive.com). Consultado em 29 de Agosto de 2007. Cópia arquivada em 27 de Setembro de 2007 
  35. Q Classic: Pink Floyd & The Story of Prog Rock, 2005.
  36. Classic Rock magazine, July 2010, Issue 146.
  37. «Peart named most influential prog drummer». TeamRock. 3 de Outubro de 2014. Consultado em 21 de Agosto de 2015 
  38. Epstein, Dan (17 de junho de 2015). «50 Greatest Prog Rock Albums of All Time». Rolling Stone. Consultado em 9 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 22 de Dezembro de 2017 
  39. Robert Dimery; Michael Lydon (7 de Fevereiro de 2006). 1001 Albums You Must Hear Before You Die: Revised and Updated Edition. : Universe. ISBN 0-7893-1371-5 
  40. Colin Larkin, ed. (2000). All Time Top 1000 Albums 3rd ed. : Virgin Books. p. 99. ISBN 0-7535-0493-6 
  41. Yossman, K.J. (26 de Abril de 2022). «Kanye West's King Crimson Sample in 'Power' Sparks Lawsuit Against Universal Music». Variety 
  42. King Crimson - The Court Of The Crimson King no YouTube
  43. «The Song Soup on Sea Gallery ~ Barry !». Songsouponsea.com. Consultado em 24 de agosto de 2011