Nero

Nero
Nero
Imperador Romano
Reinado 13 de outubro de 54
a 9 de junho de 68
Predecessor Cláudio
Sucessor Galba
 
Nascimento 15 de dezembro de 37
Âncio, Itália, Império Romano
Morte 9 de junho de 68 (30 anos)
Roma, Itália, Império Romano
Sepultado em Mausoléu dos Domícios Enobarbos, Roma, Itália
Nome completo  
Nero Cláudio César Augusto Germânico
Nome de nascimento Lúcio Domício Enobarbo
Cônjuges Cláudia Otávia
Popeia Sabina
Estacília Messalina
Esporo
Pitágoras
Descendência Cláudia Augusta
Dinastia Júlio-Claudiana
Pai Cneu Domício Enobarbo
Cláudio (adotivo)
Mãe Agripina Menor
Religião Paganismo romano

Nero Cláudio César Augusto Germânico (em latim, Nero Claudius Cæsar Augustus Germanicus; Anzio, 15 de dezembro de 37 d.C. — Roma, 9 de junho de 68) foi um imperador romano que governou de 13 de outubro de 54 até a sua morte, a 9 de junho de 68, o último imperador da dinastia júlio-claudiana.

Nascido com o nome de Lúcio Domício Enobarbo, era descendente de uma das principais famílias romanas, pelo pai Cneu Domício Enobarbo e da família imperial júlio-claudiana através da mãe Agripina, a Jovem, filha de Germânico e neta de César Augusto. Ascendeu ao trono após a morte do seu tio Cláudio, que o nomeara o seu sucessor.

Durante o seu governo, focou-se principalmente na diplomacia e no comércio, e tentou aumentar o capital cultural do império. Ordenou a construção de diversos teatros e promoveu os jogos e provas atléticas. Diplomática e militarmente, o seu reinado caracterizou-se pelo sucesso contra o Império Parta, a repressão da revolta dos britânicos (6061) e uma melhora das relações com Grécia. Em 68 ocorreu um golpe de estado de vários governadores, após o qual, aparentemente, foi forçado a suicidar-se.

O reinado de Nero é associado habitualmente à tirania e à extravagância. É recordado por uma série de execuções sistemáticas, incluindo a da sua própria mãe e o seu meio-irmão Britânico, e sobretudo pela crença generalizada de que, enquanto Roma ardia, ele estaria compondo com a sua lira, além de ser um implacável perseguidor dos cristãos. Estas opiniões são baseadas primariamente nos escritos dos historiadores Tácito, Suetônio e Dião Cássio. Poucas das fontes antigas que sobreviveram o descrevem dum modo favorável, embora haja algumas que relatam a sua enorme popularidade entre o povo romano, sobretudo no Oriente.

A fiabilidade das fontes que relatam os tirânicos atos de Nero é atualmente controversa. Separar a realidade da ficção, em relação às fontes antigas, pode ser impossível.

Juventude

Família