Sismo e tsunâmi de Tohoku em 2011

Sismo e tsunami de Tohoku de 2011
Sismo e tsunâmi de Tohoku em 2011Vista aérea de Sendai em 12 de março de 2011.
Sismo e tsunâmi de Tohoku em 2011Mapa mostrando o epicentro do terremoto e a posição das centrais nucleares afetadas
Epicentro 38° 19' 19.2" N 142° 22' 8.4" E
Profundidade 24 quilômetros (15 mi)
Magnitude 9,1 MW
Intensidade máx. IX (desastroso)
7
Data 11 de março de 2011 (12 anos), 14h46min23 hora local
Duração 6 minutos
Países afetados Japão
Tsunâmi Até 40,5 m (133 pés) em Miyako, Iwate, Tōhoku
Deslizamento sim
Vítimas 19 759 mortos confirmados, 6 152 feridos e cerca de 2 562 desaparecidos

Sismo e tsunâmi de Tohoku de 2011 ou sismo e tsunâmi de Sendai (designado oficialmente Grande Terremoto do Leste do Japão) foi um sismo de magnitude de 9,1 MW com epicentro ao largo da costa do Japão ocorrido às 14h46 JTC (02h46 no horário de Brasília) do dia 11 de março de 2011. O epicentro foi a 130 km da costa leste da península de Oshika, na região de Tohoku, com o hipocentro situado a uma profundidade de 24,4 km. O sismo atingiu o grau 7 — a magnitude máxima da escala de intensidade sísmica da Agência Meteorológica do Japão — ao norte da Prefeitura de Miyagi, grau 6 em outras prefeituras e 5 em Tóquio.

O sismo provocou alertas de tsunâmi e evacuações na linha costeira japonesa do Pacífico e em pelo menos 20 países, incluindo toda a costa do Pacífico da América do Norte e América do Sul. Provocou também ondas de tsunâmi de mais de 10 m de altura, que atingiram o Japão e diversos outros países. No Japão, as ondas percorreram mais de 10 km de terra.

De acordo com as autoridades, houve 19 759 mortes confirmadas e mais de 2 500 pessoas ainda desaparecidos. O sismo causou danos substanciais ao Japão, incluindo a destruição de rodovias e linhas ferroviárias, assim como incêndios em várias regiões, e o rompimento de uma barragem. Aproximadamente 4,4 milhões de habitantes no nordeste do Japão ficaram sem energia elétrica, e 1,4 milhão sem água. Muitos geradores deixaram de funcionar e pelo menos dois reatores nucleares foram danificados, o que levou à evacuação imediata das regiões atingidas enquanto um estado de emergência era estabelecido. A Central Nuclear de Fukushima I sofreu uma explosão aproximadamente 24 horas depois do primeiro sismo, e apesar do colapso da contenção de concreto da construção, a integridade do núcleo interno não teria sido comprometida.

Terremotos ocorrem quase que diariamente no Japão, que se localiza na junção de várias placas tectônicas que estão em constante movimentoː do Pacífico, norte-americana, Eurasiática e das Filipinas. Contudo, estima-se que a magnitude do sismo de Sendai faça deste o maior sismo já registrado no Japão e um dos sete maiores do mundo desde que os registros modernos começaram a ser compilados.

Sismo

O terremoto submarino de magnitude 9,1 (Mw) ocorreu em 11 de março de 2011 às 14:46 JST (05:46 UTC) no noroeste do Oceano Pacífico a uma profundidade relativamente rasa de 32 quilômetros, com epicentro aproximadamente 72 km a leste da Península de Oshika de Tōhoku, Japão, com duração aproximada de seis minutos. O terremoto foi inicialmente relatado como 7,9 M w pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, sigla em inglês) antes de ser rapidamente atualizado para 8.8 Mw, então para 8,9 Mw e finalmente para 9,0 Mw. Em 11 de julho de 2016, o USGS atualizou ainda mais o terremoto para 9,1. Sendai foi a cidade grande mais próxima ao terremoto, 130 quilômetros do epicentro; o terremoto ocorreu 373 quilômetros a nordeste de Tóquio.

Localização do epicentro e intensidade do sismo e réplicas.

O terremoto principal foi precedido por uma série de grandes tremores preliminares, com centenas de tremores secundários relatados. Um dos primeiros grandes premonitores foi um 7,2 Mw evento em 9 de março, aproximadamente 40 km do epicentro do terremoto de 11 de março, com outros três no mesmo dia acima de 6,0 Mw. Após o terremoto principal em 11 de março, uma magnitude de 7,4 Mw o tremor secundário foi relatado às 15:08 JST (6:06 UTC), seguido por um tremor de 7,9 Mw às 15:15 JST (6:16 UTC) e 7,7 Mw às 15:26 JST (6:26 UTC). Mais de oitocentos tremores secundários de magnitude 4,5 Mw ou mais ocorreram desde o terremoto inicial, incluindo um em 26 de outubro de 2013 (hora local) de magnitude 7,1 Mw. Os tremores secundários seguem a lei de Omori, que afirma que a taxa de tremores secundários diminui de acordo com o tempo passado desde o terremoto principal. Os tremores secundários diminuirão com o tempo, mas podem continuar por anos.

O terremoto moveu a ilha Honshu 2,4 metros a leste, deslocou a Terra em seu eixo por estimativas entre 10 e 25 centímetros, aumentou a velocidade de rotação da Terra em 1,8 µs por dia e gerou ondas de infrassom detectadas em perturbações do satélite de órbita baixa Gravity Field e Steady-State Ocean Circulation Explorer. Inicialmente, o terremoto causou o afundamento de parte da costa do Pacífico de Honshu em cerca de um metro, mas depois de cerca de três anos, a costa voltou a subir e continuou subindo para exceder sua altura original.

Réplicas

Tempo estimado de viagem do tsunâmi gerado pelo sismo.

O Japão sofreu mais de 1 000 sismos após o terremoto de 11 de Março de 2011, dos quais, 80 foram registrados acima da magnitude 6,0 Mw e vários outros foram superiores a magnitude 7,0 Mw. Um grande sismo atingiu a costa do Japão no dia 7 de abril de 2011 com uma magnitude de 7,1 Mw. Seu epicentro estava abaixo da superfície, a 66 km da costa de Sendai. A Agência Meteorológica do Japão atribuiu uma magnitude de 7,4 MJMA, enquanto o Serviço Geológico dos EUA informou que o sismo foi de 7,1 Mw. Pelo menos quatro pessoas morreram, e a eletricidade foi cortada em grande parte da região norte do Japão, incluindo a perda de energia externa para a Usina Nuclear de Higashidōri e a Usina de Reprocessamento de Rokkasho.

Quatro dias depois, em 11 de abril, outro sismo foi registrado, com magnitude 7,1 Mw atingindo a região de Fukushima, causando danos adicionais e matando um total de três pessoas. Em 7 de dezembro de 2012, um grande choque de magnitude 7,3 Mw causou um pequeno tsunâmi, e novamente em 26 de outubro de 2013 um pequeno tsunâmi foi registrado após um choque de 7,1 Mw. Outros sismos foram registrados tempos depois, totalizando 1887 sismos com magnitude 4.0 Mw; um mapa regularmente atualizado mostrando todos os sismos com magnitude 4,5 e tanto acima quanto ao longo da costa leste de Honshu, além de outros sismos registrados durante do período. A partir do dia 11 de março de 2016 ocorreram 869 sismos posteriores de 5,0 Mw ou mais, 118 sismos de 6,0 Mw ou mais, e outros 9 acima de 7,0 Mw, conforme foi relatado pela Agência Meteorológica japonesa.

Em 13 de Fevereiro de 2021, um terremoto de magnitude 7,1-7,3 Mw atingiu a costa de Sendai, causando alguns danos nas prefeituras de Miyagi e Fukushima e pelo menos 150 pessoas ficaram feridas, ocorrendo nas proximidades do 10º aniversário do sismo e tsunâmi de Tohoku ocorrido no dia 11 de Março de 2011.

Geologia

Mecanismo do terremoto de Tohoku em 2011

Este terremoto de megaimpulso foi uma recorrência do mecanismo do terremoto anterior de 869 Sanriku, que foi estimado como tendo uma magnitude de pelo menos 8,4 Mw, que também criou um grande tsunami que inundou a planície de Sendai. Três depósitos de tsunami foram identificados na sequência do Holoceno da planície, todos formados nos últimos 3 mil anos, sugerindo um intervalo de recorrência de 800 a 1,1 mil anos para grandes terremotos tsunamigênicos. Em 2001, considerou-se que havia uma grande probabilidade de um grande tsunami atingir a planície de Sendai, já que mais de 1,1 mil anos se passaram. Em 2007, a probabilidade de um terremoto com magnitude de Mw entre 8,1 e 8,3 foi estimada em 99% nos próximos 30 anos.

Este terremoto ocorreu onde a Placa do Pacífico está subduzindo sob a placa abaixo do norte de Honshu. A placa do Pacífico, que se move a uma taxa de 8 a 9 centímetros por ano e mergulha sob a placa subjacente de Honshu, o que cria grandes quantidades de energia elástica. Este movimento empurra a placa superior para baixo até que a tensão acumulada cause um evento sísmico de ruptura por deslizamento. A quebra fez com que o fundo do mar subisse vários metros. Um terremoto dessa magnitude geralmente tem um comprimento de ruptura de pelo menos 500 quilômetros e geralmente requer uma superfície de falha longa e relativamente reta. Como o limite da placa e a zona de subducção na área da ruptura de Honshu não são muito retos, é incomum que a magnitude de seu terremoto exceda 8,5 Mw; a magnitude deste terremoto foi uma surpresa para alguns sismólogos. A região hipocentral deste terremoto estendeu-se desde a costa da Prefeitura de Iwate até a costa da Prefeitura de Ibaraki. A Agência Meteorológica Japonesa disse que o terremoto pode ter rompido a zona de falha de Iwate a Ibaraki com um comprimento de 500 km e uma largura de 200 km. A análise mostrou que este terremoto consistiu em um conjunto de três eventos.

Vários destroços em Rikuzentakata após o tsunami Uma grande balsa arrastada pelo tsunami entre casas destruídas de Miyako, Iwate

A área de origem deste terremoto tem um coeficiente de acoplamento relativamente alto cercado por áreas de coeficientes de acoplamento relativamente baixos no oeste, norte e sul. A partir do coeficiente de acoplamento médio de 0,5–0,8 na área da fonte e do momento sísmico, estimou-se que o déficit de deslizamento deste terremoto foi acumulado durante um período de 260–880 anos, o que é consistente com o intervalo de recorrência de tais grandes terremotos estimado a partir dos dados do depósito do tsunami. O momento sísmico deste terremoto representa cerca de 93% do momento cumulativo estimado de 1926 a março de 2011. Assim, terremotos nesta área com magnitudes de cerca de 7 desde 1926 liberaram apenas parte da energia acumulada. Na área próxima à trincheira, o coeficiente de acoplamento é alto, o que pode atuar como fonte do grande tsunami.

A maioria dos sismos premonitores são terremotos interplacas com mecanismos focais do tipo impulso. Ambos os terremotos interplaca e intraplaca apareceram nos tremores secundários na costa de Sanriku com proporções consideráveis.

Energia

A energia de superfície das ondas sísmicas do terremoto foi calculada em 1.9×1017 joules, que é quase o dobro do sismo e tsunami no Oceano Índico em 2004, que atingiu 9,1 Mw e matou cerca de 230 mil pessoas. Se aproveitada, a energia sísmica desse terremoto abasteceria uma cidade do tamanho de Los Angeles por um ano inteiro. O momento sísmico (M0), que representa um tamanho físico para o evento, foi calculado pelo USGS em 3,9×1022 joules, ligeiramente menor que o terremoto de 2004 no Oceano Índico.

O Instituto Nacional de Pesquisa do Japão para Ciências da Terra e Prevenção de Desastres (NIED) calculou uma aceleração máxima do solo de 29,33 m/s2).

Intensidade

Observações de intensidade sísmica resultantes de choque principal

O forte movimento do solo registrado no máximo 7 na escala de intensidade sísmica da Agência Meteorológica do Japão em Kurihara, na província de Miyagi.

Intensidade Prefeitura
7 miyagi
6+ Fukushima, Ibaraki, Tochigi
6- Iwate, Gunma, Saitama, Chiba
5+ Aomori, Akita, Yamagata, Tóquio, Kanagawa, Yamanashi
5- Niigata, Nagano, Shizuoka
4 Hokkaido, Gifu, Aichi
3 Toyama, Ishikawa, Fukui, Mie, Shiga, Kyoto, Osaka, Hyogo, Nara
2 Wakayama, Tottori, Shimane, Okayama, Tokushima, Kochi, Saga, Kumamoto
1 Hiroshima, Kagawa, Ehime, Yamaguchi, Fukuoka, Nagasaki, Oita, Kagoshima

Efeitos geofísicos

Limites da região hipocentral

Partes do nordeste do Japão deslocaram-se em até 2,4 metros mais perto da América do Norte, tornando algumas seções da massa de terra do Japão mais largas do que antes. As áreas do Japão mais próximas do epicentro experimentaram as maiores mudanças. Um trecho de 400 quilômetros do litoral afundou verticalmente em 0,6 metros, permitindo que o tsunami viajasse mais longe e mais rápido por terra. Uma estimativa inicial sugeriu que a placa do Pacífico pode ter se movido para o oeste em até 20 metros e outra estimativa inicial colocou a quantidade de deslizamento em até 40 metros. Em 6 de abril, a guarda costeira japonesa disse que o terremoto deslocou o fundo do mar perto do epicentro em 24 metros e elevou o fundo do mar na costa da província de Miyagi em 3 metros. Um relatório da Agência Japonesa de Ciência e Tecnologia Marinha-Terra, publicado na revista Science em 2 de dezembro de 2011, concluiu que o fundo do mar na área entre o epicentro e a fossa japonesa se moveu 50 metros leste-sudeste e subiu cerca de 7 metros como resultado do terremoto. O relatório também afirmou que o terremoto causou vários grandes deslizamentos de terra no fundo do mar na área afetada.

O eixo da Terra mudou por estimativas entre 10 e 25 centímetros. Este desvio levou a uma série de pequenas mudanças planetárias, incluindo a duração de um dia, a inclinação da Terra e a oscilação de Chandler. A velocidade de rotação da Terra aumentou, encurtando o dia em 1,8 microssegundos devido à redistribuição da massa da Terra. O deslocamento axial foi causado pela redistribuição da massa na superfície da Terra, que alterou o momento de inércia do planeta. Por causa da conservação do momento angular, tais mudanças de inércia resultam em pequenas mudanças na taxa de rotação da Terra. Estas são as mudanças esperadas para um terremoto desta magnitude. O terremoto também gerou ondas infrassônicas detectadas por perturbações na órbita do satélite GOCE, que por acaso se tornou o primeiro sismógrafo em órbita. Após o terremoto, foram observadas rachaduras no teto da câmara de magma do Monte Fuji.

Chão rachado em após o sismo em Katori, Chiba

Ondas seichas observados em Sognefjorden, na Noruega, foram atribuídas a ondas S distantes e ondas de Love geradas pelo terremoto. Essas seichas começaram a ocorrer cerca de meia hora após o choque principal atingir o Japão e continuaram a ocorrer por 3 horas, durante as quais foram observadas ondas de até 1,5 metro de altura. A liquefação do solo era evidente em áreas de terras recuperadas ao redor de Tóquio, particularmente em Urayasu, Chiba, Funabashi, Narashino (todos na província de Chiba) e em Koto, Edogawa, Minato, Chūō e Ōta, em Tóquio. Aproximadamente 30 casas ou edifícios foram destruídos e 1.046 outros edifícios foram danificados em graus variados. O Aeroporto de Haneda, construído principalmente em terrenos recuperados, não foi danificado. Odaiba também experimentou liquefação, mas os danos foram mínimos.

Liquefação do solo em Kōtō, Tóquio

Shinmoedake, um vulcão em Kyushu, entrou em erupção três dias após o terremoto. O vulcão já havia entrado em erupção em janeiro de 2011; não se sabe se a erupção posterior estava ligada ao terremoto. Na Antártica, foi relatado que as ondas sísmicas do terremoto fizeram com que a Corrente de Gelo Whillans deslizasse cerca de 0,5 metros.

O primeiro sinal que os pesquisadores internacionais tiveram de que o terremoto causou uma mudança tão dramática na rotação da Terra veio do Serviço Geológico dos Estados Unidos, que monitora estações de satélite de posicionamento global (GPS) em todo o mundo. A equipe de pesquisa tinha vários monitores de GPS localizados perto da cena do terremoto. A estação GPS localizada mais próxima do epicentro moveu-se quase 4 metros, o que motivou os pesquisadores do governo a investigar outras maneiras pelas quais o terremoto pode ter causado efeitos em larga escala no planeta. Cálculos no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA determinaram que a rotação da Terra foi alterada pelo terremoto até o ponto em que os dias agora são 1,8 microssegundos mais curtos.

Tsunami

Mapa de energia do tsunami Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA)

Uma elevação de 6 a 8 metros ao longo de 180 quilômetros no fundo do mar de largura a 60 quilômetros ao largo da costa leste de Tōhoku resultou em um grande tsunami que trouxe destruição ao longo da costa do Pacífico das ilhas do norte do Japão. Milhares de vidas foram perdidas e cidades inteiras foram devastadas. O tsunami se propagou por toda a região do Oceano Pacífico atingindo, do Alasca ao Chile. Avisos foram emitidos e evacuações foram realizadas em muitos países que fazem fronteira com o Pacífico. Embora o tsunami tenha afetado muitos desses lugares, as alturas das ondas foram menores. A costa do Pacífico do Chile, uma das mais distantes do Japão em cerca de 17 mil quilômetros de distância, foi atingida por ondas 2 metros de altura, em comparação com uma altura de onda estimada de 38,9 metros na cidade de Miyako, Japão.

Japão

Destruição em Wakuya, Miyagi, após a passagem do tsunami Vista aérea de Otsuchi uma semana após o tsunami

O alerta de tsunami emitido pela Agência Meteorológica do Japão foi o mais grave em sua escala de alerta; foi classificado como um "grande tsunami", com pelo menos 3 metros de altura. A previsão de altura real variou, sendo a maior para Miyagi a 6 metros de altura. O tsunami inundou uma área total de aproximadamente 561 quilômetros quadrados no Japão.

O terremoto provocou um alerta de tsunâmi e evacuações da costa japonesa do Pacífico e de pelo menos outros 20 países, regiões e arquipélagos como Nova Zelândia, Austrália, Rússia, Guam, Filipinas, Indonésia, Papua-Nova Guiné, Nauru, Havai e Marianas Setentrionais (Estados Unidos), Alasca, Taiwan, Equador e Chile. O alerta de tsunâmi emitido pelo Japão foi o mais grave em sua escala de alerta, o que implica que a onda era esperada para ter uma altura de, ao menos, 10 metros de altura. Uma onda desse tamanho ocorreu às 15h55 JST, causando inundações no Aeroporto de Sendai, que fica próximo da costa da Prefeitura de Miyagi, com ondas varrendo carros e inundando vários edifícios conforme ia para o interior da ilha. O impacto do tsunâmi em torno do Aeroporto de Sendai foi filmado por um helicóptero de notícias da rede NHK, mostrando vários veículos em estradas locais tentando escapar da onda que se aproximava rapidamente. Uma onda de tsunâmi de 4 metros de altura atingiu a Prefeitura de Iwate.

Como no Sismo do Oceano Índico de 2004 e no Ciclone Nargis, o dano da afluência de água, embora muito mais localizado, pode ser muito mais letal e destrutivo do que o terremoto em si. Há relatos de "cidades inteiras destruídas" nas áreas atingidas pelo tsunâmi no Japão, incluindo 9 500 desaparecidos em Minamisanriku; Kuji e Ofunato que foram "varridas...não deixando nenhum vestígio de que uma cidade estava lá".

Em outras partes do Pacífico

Animação do NOAA da propagação do tsunâmi.

Em Guam, dois submarinos de ataque dos Estados Unidos foram retirados de suas amarras, mas logo foram tomados ao abrigo do reboque. O estado do Havaí estimou os danos à infra-estrutura pública em três milhões de dólares, com danos privados ainda maiores. Uma casa foi levada para o mar.

O Centro de Alerta de Tsunâmi da Costa Oeste dos Estados Unidos e do Alasca emitiu um alerta de tsunâmi para as zonas costeiras da Califórnia e do Oregon, de Point Conception, na Califórnia, até à fronteira do Oregon e Washington. Na Califórnia, o porto em Crescent City foi atingido por ondas de tsunâmi de oito pés, com docas e cerca de 35 barcos severamente danificados, enquanto o porto de Santa Cruz estimou prejuízos de 10 milhões de dólares como resultado dos danos, com outros 4 milhões de dólares em danos em embarcações que atracam ali. A Ilha Catalina, na Califórnia e Brookings, no Oregon, também sofreram danos.

Ao longo da costa do Pacífico no México e na América do Sul, foram registrados surtos de tsunâmi, mas na maioria dos lugares causou pouco ou nenhum dano. O Peru relatou uma onda de 1,5 m e mais de 300 casas foram danificadas na cidade de Pueblo Nuevo de Colan e Pisco.

Vítimas

Japão

Estimativas iniciais Equipe de resgate do condado de Fairfax, Virgínia, em busca de sobreviventes em Kamaishi, província de Iwate . A neve chegou minutos antes ou depois do tsunami, dependendo dos locais.
Idade Entre todas as mortes
<9 3,0%
10–19 2,7%
20–29 3,4%
30–39 5,5%
40–49 7,3%
50–59 12,3%
60–69 19,2%
70–79 24,5%
>80 22,1%
Lugares com mais mortes
Prefeitura Cidade Mortos Desaparecidos
Miyagi Ishinomaki 3.553 418
Iwate Rikuzentakata 1.606 202
Miyagi Kesennuma 1.218 214
Miyagi Higashimatsushima 1.132 23
Fukushima Minamisoma] 1.050 111
Iwate Kamaishi 994 152
Miyagi Natori 954 38
Miyagi Sendai 923 27
Iwate Otsuchi 856 416
Miyagi Yamamoto 701 17
Iwate Yamada 687 145
Miyagi Minamisanriku 620 211
Miyagi Onagawa 615 257

Os números oficiais divulgados em 2021 relataram 19.759 mortos, 6.242 feridos e 2.553 desaparecidos. As principais causas de morte foram afogamento (90,64% ou 14.308 corpos), queimaduras (0,9% ou 145 corpos) e outros (4,2% ou 667 corpos, a maioria esmagados por objetos pesados). Lesões relacionadas à exposição nuclear ou à descarga de água radioativa em Fukushima são difíceis de rastrear, pois 60% dos 20 mil trabalhadores no local se recusaram a participar de exames de saúde gratuitos patrocinados pelo Estado. Os idosos com mais de 60 anos de idade representam 65,8% do total de óbitos, conforme tabela ao lado.

Para fins de fundo de socorro, uma "morte relacionada ao terremoto" foi definida para incluir fadiga física e mental causada pela vida em abrigo temporário", "fadiga física e mental causada por evacuação", "tratamento atrasado devido a um hospital inoperante", "fadiga física e mental causada pelo estresse do terremoto e do tsunami". Alguns casos de suicídio também estão incluídos. A maioria dessas mortes ocorreu durante os primeiros seis meses após o terremoto e o número caiu depois disso, mas com o passar do tempo, o número continuou a aumentar. A maioria dessas mortes ocorreu na prefeitura de Fukushima, onde o governo da prefeitura sugeriu que poderiam ser devido a evacuações causadas pelo desastre nuclear de Fukushima Daiichi. Dentro da prefeitura de Fukushima, essas baixas indiretas já resultaram em mais mortes do que o número de pessoas mortas diretamente por terremotos e tsunamis.

Outros

A ONG Save the Children relata que até 100 mil crianças foram arrancadas de suas casas, algumas das quais foram separadas de suas famílias porque o terremoto ocorreu durante o dia escolar. 236 crianças ficaram órfãs nas prefeituras de Iwate, Miyagi e Fukushima pelo desastre; 1.580 crianças perderam um ou ambos os pais, 846 em Miyagi, 572 em Iwate e 162 em Fukushima. O terremoto e o tsunami mataram 378 alunos do ensino fundamental, médio e médio e deixaram outros 158 desaparecidos. Uma escola primária em Ishinomaki, Miyagi, a Escola Primária de Okawa, perdeu 74 de 108 alunos e 10 de 13 professores no tsunami devido à má tomada de decisão na evacuação.

O Ministério das Relações Exteriores do Japão confirmou a morte de dezenove estrangeiros. Entre eles estavam dois professores de inglês dos Estados Unidos afiliados ao Programa de Intercâmbio e Ensino do Japão; um missionário canadense em Shiogama; e cidadãos da China, Coréia do Norte e do Sul, Taiwan, Paquistão e Filipinas.

Às 9:30 UTC de 11 de março de 2011, o Google Person Finder, que foi usado anteriormente nos terremotos do Haiti, do Chile e de Christchurch, na Nova Zelândia, estava coletando informações sobre os sobreviventes e suas localizações.

Funerais japoneses são normalmente elaboradas cerimônias budistas que envolvem cremação. Os milhares de corpos, no entanto, excederam a capacidade dos crematórios e necrotérios disponíveis, muitos deles danificados pelo desastre, e houve escassez de querosene - cada cremação requer 50 litros - e gelo seco para preservação. O único crematório em Higashimatsushima, por exemplo, só podia lidar com quatro corpos por dia, embora centenas tenham sido encontrados lá. Governos e militares foram forçados a enterrar muitos corpos em valas comuns cavadas às pressas com ritos rudimentares ou sem ritos, embora parentes do falecido tenham recebido a promessa de que seriam cremados mais tarde.

Em 27 de maio de 2011, três membros da Força Terrestre de Autodefesa do Japão morreram durante operações de socorro em Tōhoku. Em março de 2012, o governo japonês reconheceu 1.331 mortes indiretamente relacionadas ao terremoto, como as causadas pelas duras condições de vida após o desastre. Em 30 de abril de 2012, 18 pessoas morreram e 420 ficaram feridas durante a recuperação de desastres ou esforços de limpeza.

Em outros continentes

O tsunami foi causou várias mortes fora do Japão. Um homem foi morto em Jayapura, Papua, na Indonésia, depois de ser arrastado para o mar. Um homem que teria tentado fotografar o tsunami que se aproximava na foz do rio Klamath, ao sul de Crescent City, Califórnia, foi arrastado para o mar.

Danos e efeitos

Panorama de Rikuzentakata após o desastre

O grau e extensão dos danos causados pelo terremoto e consequente tsunami foram enormes, sendo a maior parte dos danos causados pelo tsunami. Imagens de vídeo das cidades mais afetadas mostram pouco mais do que pilhas de escombros, com quase nenhuma parte de qualquer estrutura deixada de pé. As estimativas do custo dos danos chegam a dezenas de bilhões de dólares; fotografias de satélite antes e depois de regiões devastadas mostram danos imensos em muitas regiões. Embora o Japão tenha investido o equivalente a bilhões de dólares em diques anti-tsunami que revestem pelo menos 40% de seus 34.751 km de litoral e suporte ondas de até 12 metros de altura, o tsunami simplesmente atingiu o topo de alguns paredões, desmoronando alguns no processo.

Um incêndio que eclodiu em Tóquio após o terremoto

A Agência Nacional de Polícia do Japão disse em 3 de abril de 2011 que 45,7 mil edifícios foram destruídos e 144,3 mil foram danificados pelo terremoto e tsunami. Os edifícios danificados incluíram 29,5 mil estruturas na Prefeitura de Miyagi, 12,5 mil na Prefeitura de Iwate e 2,4 mil na Prefeitura de Fukushima. Trezentos hospitais com 20 leitos ou mais em Tōhoku foram danificados pelo desastre, sendo que 11 deles foram completamente destruídos. O terremoto e o tsunami criaram cerca de 24 a 25 milhões de toneladas de entulho e detritos no Japão.

Aeroporto de Sendai destruído pelo tsunâmi de 2011.

Um relatório da Agência Nacional de Polícia do Japão em 10 de setembro de 2018 listou 121.778 edifícios como "totalmente desmoronados", com mais 280.926 edifícios "meio desmoronados" e outros 699.180 edifícios "parcialmente danificados". O terremoto e o tsunami também causaram danos estruturais extensos e graves no nordeste do Japão, incluindo grandes danos a estradas e ferrovias, bem como incêndios em muitas áreas e o colapso de uma barragem. O então primeiro-ministro japonês Naoto Kan disse: "Nos 65 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, esta é a crise mais dura e difícil para o Japão." Cerca de 4,4 milhões de lares no nordeste do Japão ficaram sem eletricidade e 1,5 milhão sem água.

Estima-se que 230 mil automóveis e caminhões foram danificados ou destruídos no desastre. Até o final de maio de 2011, os moradores das prefeituras de Iwate, Miyagi e Fukushima solicitaram o cancelamento do registro de 15 mil veículos, o que significa que os proprietários desses veículos os consideravam irreparáveis ou não recuperáveis.

Condições climáticas

Queda de neve em Ishinomaki, 16 de março.

A baixa temperatura e a queda de neve foram as principais preocupações após o terremoto. A neve chegou minutos antes ou depois do tsunami, dependendo dos locais. Em Ishinomaki, a cidade que sofreu mais mortes, uma temperatura de 0 °C foi medida e começou a nevar algumas horas após o terremoto. A neve caiu novamente em 16 de março e de forma intermitente nas semanas seguintes. O dia 18 de março foi o mais frio daquele mês, registrando -4 °C a 6 °C em Sendai. Fotos de ruínas da cidade cobertas de neve foram apresentadas em várias fotos na mídia internacional, incluindo a NASA.

Detritos

O tsunami produziu enormes quantidades de detritos: estimativas de 5 milhões de toneladas de resíduos foram relatadas pelo Ministério do Meio Ambiente do Japão. Alguns desses resíduos, principalmente plástico e isopor, chegaram às costas do Canadá e dos Estados Unidos no final de 2011. Ao longo da costa oeste dos Estados Unidos, isso aumentou a quantidade de lixo por um fator de dez e pode ter transportado espécies exóticas.

Barragens e problemas hídricos

Barragem destruída em Fujinuma

A barragem de irrigação de Fujinuma em Sukagawa se rompeu, causando inundações e a destruição de cinco casas. Oito pessoas ficaram desaparecidas e quatro corpos foram descobertos pela manhã. Alguns moradores alegaram que tentaram consertar vazamentos na barragem antes que ela falhasse completamente. Em 12 de março, 252 barragens foram inspecionadas e descobriu-se que seis barragens de aterro apresentavam rachaduras rasas em suas cristas. O reservatório de uma barragem de gravidade de concreto sofreu uma pequena falha de talude não grave. Todas as barragens danificadas voltaram a funcionar sem problemas. Quatro barragens dentro da área do terremoto ficaram inacessíveis.

Logo após a calamidade, pelo menos 1,5 milhão de famílias perderam o acesso ao abastecimento de água. Em 21 de março de 2011, esse número caiu para 1,04 milhão.

Distribuição de energia elétrica

Divisão geográfica entre sistemas de 50 hertz e sistemas de 60 hertz na rede de distribuição de eletricidade do Japão

De acordo com o ministério do comércio japonês, cerca de 4,4 milhões de residências atendidas pela Tōhoku Electric Power (TEP) no nordeste do Japão ficaram sem eletricidade. Várias usinas nucleares e convencionais foram desligadas, reduzindo a capacidade total da Tokyo Electric Power Company (TEPCO) em 21 GW. Os apagões contínuos começaram em 14 de março devido à falta de energia causada pelo terremoto. A TEPCO, que normalmente fornece aproximadamente 40 GW de eletricidade, anunciou que só poderia fornecer cerca de 30 GW, porque 40% da eletricidade usada na área metropolitana de Tóquio era fornecida por reatores nas prefeituras de Niigata e Fukushima. Os reatores nas usinas de Fukushima Daiichi e Fukushima Dai-ni foram desligados automaticamente quando ocorreu o primeiro terremoto e sofreram grandes danos causados pelo sismo e também pelo subsequente tsunami. Apagões contínuos de aproximadamente três horas ocorreram ao longo de abril e maio, enquanto a TEPCO lutava para encontrar uma solução temporária de energia. Os apagões afetaram as províncias de Tóquio, Kanagawa, Shizuoka Oriental, Yamanashi, Chiba, Ibaraki, Saitama, Tochigi e Gunma. As reduções voluntárias no uso de eletricidade pelos consumidores na área de Kanto ajudaram a reduzir a frequência e a duração previstas dos apagões. Até 21 de março de 2011, o número de domicílios no norte sem eletricidade caiu para 242.927.

Uma torre de transmissão danificada e linhas de energia cortadas em Minamisōma, Fukushima Postes de energia danificados em Ishinomaki

A Tōhoku Electric Power não foi capaz de fornecer energia adicional à região de Kanto porque as usinas de energia da TEP também foram danificadas no terremoto. A Kansai Electric Power Company (Kepco) não podia compartilhar eletricidade, porque seu sistema operava a 60 hertz, enquanto a TEPCO e a TEP operam seus sistemas a 50 hertz; a disparidade se deve ao desenvolvimento industrial e de infraestrutura na década de 1880, que deixou o Japão sem uma rede elétrica nacional unificada. Duas subestações, uma na província de Shizuoka e outra na província de Nagano, foram capazes de converter entre frequências e transferir eletricidade de Kansai para Kanto e Tōhoku, mas sua capacidade era limitada a 1 GW. Com danos a tantas usinas de energia, temia-se que levaria anos até que uma solução de longo prazo pudesse ser encontrada.

Para ajudar a aliviar a escassez, três fabricantes de aço na região de Kanto contribuíram com eletricidade produzida por suas usinas convencionais internas à TEPCO para distribuição ao público em geral. A Sumitomo Metal Industries poderia produzir até 500 MW, a JFE Steel 400 MW e a Nippon Steel 500 MW de energia elétrica. Os fabricantes de automóveis e autopeças em Kanto e Tōhoku concordaram em maio de 2011 em operar suas fábricas aos sábados e domingos e fechar às quintas e sextas-feiras para ajudar a aliviar a escassez de eletricidade durante o verão de 2011. O público e outras empresas também foram incentivados a economizar eletricidade.

A esperada crise de eletricidade no verão de 2011 foi evitada com sucesso graças a todas essas medidas. O pico de consumo de eletricidade registrado pela TEPCO no período foi de 49,22 GW, 10,77 GW (18%) inferior ao pico de consumo do ano anterior. O consumo global de eletricidade durante julho e agosto também foi 14% menor do que no ano anterior. O pico de consumo de eletricidade na área da TEP foi de 12,46 GW durante o verão de 2011, 3,11 GW (20%) abaixo do pico de consumo do ano anterior, e o consumo geral foi reduzido em 11% em julho, com 17% em agosto em comparação com ano anterior. O governo japonês continuou a pedir ao público que economize eletricidade até 2016, quando se prevê que o fornecimento seja suficiente para atender à demanda, graças ao aprofundamento da mentalidade de economizar eletricidade entre o público corporativo e em geral, adição de novos fornecedores de eletricidade devido à política de liberalização da electricidade, o aumento da produção de energias renováveis, bem como das centrais a combustíveis fósseis, bem como a partilha de electricidade entre diferentes empresas de electricidade.

Petróleo, gás e carvão

Incêndio na refinaria Cosmo Oil em Ichihara Uma vista aérea da fumaça em um incêndio na refinaria da Nippon Oil em Sendai

A refinaria de petróleo da Cosmo Oil Company com capacidade de refinar 35 mil metros cúbicos de petróleo por dia foi incendiada por conta dos danos do terremoto em Ichihara, Chiba, a leste de Tóquio. O incêndio foi extinto após dez dias, ferindo seis pessoas e destruindo tanques de armazenamento.

Outras refinarias interromperam a produção devido a verificações de segurança e perda de energia. Em Sendai, uma refinaria com capacidade de refinar 23 mil metros cúbicos por dia pertencendete à JX Nippon Oil & Energy também foi incendiada por conta do terremoto. Os trabalhadores foram evacuados, mas os alertas de tsunami impediram os esforços para extinguir o incêndio até 14 de março, quando as autoridades planejavam fazê-lo.

A usina municipal de importação de gás natural liquefeito em Sendai também foi seriamente danificada e o fornecimento foi interrompido por pelo menos um mês. Além do refino e armazenamento, várias usinas foram danificadas. Estes incluem Sendai #4, New-Sendai #1 e #2, Haranomachi #1 e #2, Hirono #2 e #4 e Hitachinaka #1.

Centrais nucleares

As usinas nucleares de Fukushima Daiichi, Fukushima Daini, Onagawa e Tōkai, consistindo em um total de onze reatores, foram desligadas automaticamente após o terremoto. Higashidōri, também na costa nordeste, já estava parada para inspeção periódica. O resfriamento é necessário para remover o calor de decaimento após o desligamento de um reator Geração II e para manter os reservatórios de combustível usado. O processo de resfriamento é alimentado por geradores a diesel de emergência nas usinas e na usina de reprocessamento nuclear de Rokkasho. Em Fukushima Daiichi e Daini, as ondas do tsunami ultrapassaram os paredões e destruíram os sistemas de energia a diesel, levando a graves problemas, incluindo três grandes explosões e vazamento radioativo. Análises subsequentes descobriram que muitas usinas nucleares japonesas, incluindo Fukushima Daiichi, não estavam adequadamente protegidas contra tsunamis. Mais de 200 mil pessoas foram evacuadas.

A descarga de água radioativa em Fukushima foi confirmada em análises posteriores nos três reatores de Fukushima I (Unidades 1, 2 e 3), que sofreram derretimentos e continuaram vazando água refrigeradora.

O tremor secundário em 7 de abril causou a perda de energia externa da Usina de Reprocessamento de Rokkasho e da Usina Nuclear de Higashidori, mas os geradores estavam funcionando. A Usina Nuclear de Onagawa perdeu três de suas quatro linhas de energia externas e perdeu temporariamente a função de resfriamento em seus reservatórios de combustível usado por "20 a 80 minutos". Um derramamento de "até 3,8 litros" de água radioativa também ocorreu em Onagawa após o tremor secundário. Um relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em 2012 descobriu que a Usina Nuclear de Onagawa permaneceu praticamente intacta.

Em fevereiro de 2019, havia 42 reatores operacionais no Japão. Destes, apenas nove reatores em cinco usinas estavam operando após terem sido reiniciados após 2011.

Colapso de Fukushima Três dos reatores da Central Nuclear de Fukushima I superaqueceram, causando colapsos que eventualmente levaram a explosões, que liberaram grandes quantidades de material radioativo no ar. Mapa das áreas contaminadas ao redor da Central Nuclear de Fukushima I em abril de 2011. Uma vaca solta vagando por Namie, Fukushima depois que a área foi evacuada

O Japão declarou estado de emergência após a falha do sistema de resfriamento da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi, resultando na evacuação de moradores próximos. Funcionários da Agência Japonesa de Segurança Nuclear e Industrial relataram que os níveis de radiação dentro da usina eram até mil vezes os níveis normais e que os níveis de radiação fora da usina eram até oito vezes além dos níveis normais. Mais tarde, um estado de emergência também foi declarado na usina nuclear de Fukushima Daini por volta de 11 quilômetros ao sul. Especialistas descreveram que o desastre de Fukushima não foi tão ruim quanto o desastre de Chernobyl, mas pior do que o acidente de Three Mile Island.

A descarga de água radioativa da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi foi posteriormente detectada em água de torneiras. Iodo radioativo foi detectado na água da torneira em Fukushima, Tochigi, Gunma, Tóquio, Chiba, Saitama e Niigata, e césio radioativo na água da torneira em Fukushima, Tochigi e Gunma. Césio radioativo, iodo e estrôncio também foram detectados no solo em alguns lugares em Fukushima. Muitos pontos radioativos foram encontrados fora da zona de evacuação, incluindo Tóquio. A contaminação radioativa de produtos alimentícios foi detectada em vários lugares do Japão. Em 2021, o gabinete japonês finalmente aprovou o despejo de água radioativa em Fukushima no Oceano Pacífico ao longo de 30 anos, com total apoio da AIEA.

Incidentes em outros lugares

Um incêndio ocorreu na seção da turbina da Usina Nuclear de Onagawa após o terremoto. O incêndio ocorreu em um prédio que abriga a turbina, localizado separadamente do reator da usina, e logo foi extinto. A fábrica foi fechada por precaução.

Em 13 de março, o estado de emergência de nível mais baixo foi declarado em relação à usina de Onagawa, pois as leituras de radioatividade temporariamente excederam os níveis permitidos na área da usina. A Tōhoku Electric Power Co. afirmou que isso pode ter ocorrido devido à radiação dos acidentes nucleares de Fukushima Daiichi, mas não da própria usina de Onagawa.

Como resultado do tremor secundário de 7 de abril, a Usina Nuclear de Onagawa perdeu três das quatro linhas de energia externas e perdeu a função de resfriamento por até 80 minutos. Um derramamento de alguns litros de água radioativa ocorreu em Onagawa.

O reator número 2 da Usina Nuclear de Tōkai foi desligado automaticamente. Em 14 de março, foi relatado que uma bomba do sistema de resfriamento desse reator havia parado de funcionar; no entanto, a Japan Atomic Power Company afirmou que havia uma segunda bomba operacional sustentando os sistemas de resfriamento, mas que dois dos três geradores a diesel usados para alimentar o sistema de resfriamento estavam fora de serviço.

Transportes

Uma ponte rodoviária danificada após o terremoto

A rede de transporte do Japão sofreu graves interrupções. Muitas seções da via expressa Tōhoku que atendem ao norte do Japão foram danificadas. A via expressa não foi reaberta ao uso do público em geral até 24 de março de 2011. Todos os serviços ferroviários foram suspensos em Tóquio, com cerca de 20 mil pessoas presas nas principais estações da cidade. Nas horas após o terremoto, alguns serviços ferroviários foram retomados. A maioria das linhas de trem da área de Tóquio retomou o serviço completo no dia seguinte - 12 de março. Vinte mil visitantes retidos passaram a noite de 11 para 12 de março dentro da Tokyo Disneyland.

Um guindaste danificado fica ao lado de um navio içado para as docas no porto de Sendai Vista do terminal de contêineres porto de Sendai quase completamente destruído pelo tsunami

Todos os portos do Japão foram brevemente fechados após o terremoto, embora os de Tóquio e do sul logo tenham sido reabertos. Quinze portos estavam localizados na zona de desastre. Os portos do nordeste de Hachinohe, Sendai, Ishinomaki e Onahama foram destruídos, enquanto o porto de Chiba (que atende à indústria de hidrocarbonetos) e o nono maior porto de contêineres do Japão em Kashima também foram afetados, embora menos severamente. Os portos de Hitachinaka, Hitachi, Soma, Shiogama, Kesennuma, Ofunato, Kamashi e Miyako também foram danificados e fechados para navios. Todos os 15 portos reabriram ao tráfego limitado de navios até 29 de março de 2011. Um total de 319 portos de pesca, cerca de 10% dos portos de pesca do Japão, foram danificados no desastre. A maioria foi restaurada à condição operacional em 18 de abril de 2012.

O porto de Tóquio sofreu danos leves; os efeitos do terremoto incluíram fumaça visível subindo de um prédio no porto com partes das áreas portuárias sendo inundadas, incluindo liquefação do solo no estacionamento da Tokyo Disneyland.

Um tsunami inundou o Aeroporto de Sendai às 15:55 JST, cerca de uma hora após o terremoto inicial, causando danos graves. Os aeroportos de Narita e Haneda suspenderam brevemente as operações após o terremoto, mas sofreram poucos danos e reabriram em 24 horas. Onze aviões com destino a Narita foram desviados para a vizinha Base Aérea de Yokota.

Ruínas da Estação Shinchi Trilho ferroviário danificado pelo terremoto em Hitachinaka, Ibaraki, Japão. O trem arrastado por 200 metros da estação pelo tsunami em Onagawa, Miyagi.

Vários serviços de trem no Japão também foram cancelados, sendo que a JR East suspendeu todos os serviços pelo resto do dia. Quatro trens nas linhas costeiras foram relatados como fora de contato com os operadores; um deles, um trem de quatro vagões na Linha Senseki, descarrilou e seus ocupantes foram resgatados pouco depois das 8 horas da manhã seguinte. A estação Minami-Kesennuma na linha Kesennuma foi destruída, exceto por sua plataforma; 62 de 70 (31 de 35) linhas de trem da JR East sofreram danos em algum grau; nas áreas mais atingidas, 23 estações em 7 linhas foram destruídas, com danos ou perda de trilhos em 680 locais e o raio de 30 km ao redor da usina nuclear de Fukushima Daiichi incapaz de ser avaliado.

Não houve descarrilamentos dos serviços de trem-bala Shinkansen dentro e fora de Tóquio, mas seus serviços também foram suspensos. O Tokaido Shinkansen retomou o serviço limitado no final do dia e voltou ao horário normal no dia seguinte, enquanto o Jōetsu e o Nagano Shinkansen retomaram os serviços no final de 12 de março. Os serviços no Yamagata Shinkansen foram retomados com um número limitado de trens em 31 de março.

Os descarrilamentos foram minimizados por causa de um sistema de alerta que detectou o terremoto antes que ele ocorresse. O sistema parou automaticamente todos os trens de alta velocidade, o que minimizou os danos.

A linha Tōhoku Shinkansen foi a mais atingida, com JR East estimando que 1.100 seções da linha, variando de telhados de estações desmoronados a postes de energia dobrados, precisariam de reparos. Os serviços no Tōhoku Shinkansen foram parcialmente retomados apenas na área de Kantō em 15 de março, com um serviço de ida e volta por hora entre Tóquio e Nasu-Shiobara, e o serviço na área de Tōhoku foi parcialmente retomado em 22 de março entre Morioka e Shin-Aomori. Os serviços no Akita Shinkansen foram retomados com um número limitado de trens em 18 de março. O serviço entre Tóquio e Shin-Aomori foi restaurado em maio, mas em velocidades mais baixas devido ao trabalho de restauração em andamento; o cronograma pré-terremoto não foi restabelecido até o final de setembro.

Os blecautes contínuos provocados pelas crises nas usinas nucleares de Fukushima tiveram um efeito profundo nas redes ferroviárias ao redor de Tóquio a partir de 14 de março. As principais ferrovias começaram a operar trens em intervalos de 10-20 minutos, em vez dos habituais intervalos de 3-5 minutos, operando algumas linhas apenas na hora do rush e fechando completamente outras; notavelmente, a linha principal Tōkaidō, a linha Yokosuka, a linha principal Sōbu e a linha Chūō-Sōbu foram todas paradas durante o dia.

Telecomunicações

O serviço de telefonia celular e fixa sofreu grandes interrupções na área afetada. Imediatamente após o terremoto, a comunicação por celular foi bloqueada em grande parte do Japão devido a um aumento na atividade da rede. No dia do terremoto, a emissora estadunidense NPR não conseguiu entrar em contato com ninguém em Sendai com um telefone funcionando ou acesso à Internet. Os serviços de Internet não foram afetados em grande parte em áreas onde a infraestrutura básica permaneceu, apesar do terremoto ter danificado partes de vários sistemas de cabos submarinos nas regiões afetadas; esses sistemas foram capazes de redirecionar os segmentos afetados para links redundantes. No Japão, apenas alguns sites ficaram inacessíveis. Vários provedores de pontos de acesso Wi-Fi reagiram ao terremoto fornecendo acesso gratuito às suas redes e algumas empresas estadunidenses de telecomunicações e VoIP, como AT&T, Sprint, Verizon, T-Mobile, netTALK e Vonage, ofereceram chamadas gratuitas para (e em alguns casos, do) Japão por um tempo limitado, assim como a Deutsche Telekom da Alemanha.

Defesa

Equipes da Força Terrestre de Autodefesa do Japão e de socorristas em busca de vítimas em Otsuchi

O Campo Aéreo de Matsushima da Força de Autodefesa do Japão na província de Miyagi recebeu um alerta de tsunami, e o endereço público da base aérea 'Tanoy' foi usado para dar o aviso: 'Um tsunami está vindo, evacuar para o terceiro andar.' Pouco depois do aviso, a base aérea foi atingida pelo tsunami, inundando a instalação militar. Não houve perda de vidas, embora o tsunami tenha causado danos a todos os 18 caças Mitsubishi F-2 do 21º Esquadrão de Treinamento de Caça. Doze das aeronaves foram descartadas, enquanto as seis restantes foram programadas para reparo a um custo de 80 bilhões de ienes (cerca de 1 bilhão de dólares), superando o custo original da aeronave.

Patrimônios culturais

Danos a uma lanterna tradicional no santuário Tokiwa na cidade de Mito

No total, 754 propriedades culturais foram danificadas em dezenove províncias, incluindo cinco Tesouros Nacionais (em Zuigan-ji, Ōsaki Hachiman-gū, Shiramizu Amidadō e Seihaku-ji ); 160 Propriedades Culturais Importantes (incluindo em Sendai Tōshō-gū, o Kōdōkan, e Entsu-in, com seus motivos decorativos ocidentais); 144 Monumentos do Japão (incluindo Matsushima, Takata-matsubara, Yūbikan e o Sítio de Tagajō); seis Conjuntos de Edifícios Tradicionais; e quatro Propriedades Culturais Folclóricas Tangíveis Importantes. Monumentos de pedra nos santuários e templos de Nikkō, considerado um Patrimônio Mundial pela UNESCO, foram derrubados pelo sismo. Em Tóquio, houve danos em Koishikawa Kōrakuen, Rikugien, Hamarikyū Onshi Teien e nas paredes do Castelo de Edo. Não houve danos aos monumentos e locais históricos de Hiraizumi na província de Iwate, e a recomendação para sua inscrição na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO em junho foi considerada um símbolo de reconhecimento e recuperação internacional.

Pós-desastre

As consequências do terremoto e do tsunami incluíram uma crise humanitária e um grande impacto econômico. O tsunami resultou em mais de 340 mil pessoas desabrigadas na região de Tōhoku, além de escassez de comida, água, remédios e combustível para os sobreviventes. Em resposta, o governo japonês mobilizou as Forças de Autodefesa, enquanto muitos países enviaram equipes de busca e resgate para ajudar na busca por sobreviventes. Organizações de ajuda no Japão e em todo o mundo também responderam, sendo que a Cruz Vermelha Japonesa reportou um total de cerca de 1 bilhão de dólares em doações. O impacto econômico incluiu problemas imediatos, com a produção industrial suspensa em muitas fábricas, e a questão de longo prazo do custo de reconstrução, estimado em 122 bilhões de dólares. Em comparação com o terremoto de Kobe de 1995, o terremoto de 2011 trouxe sérios danos a uma região extremamente mais ampla.

Ruínas da escola primária Kadonowaki, em Ishinomaki, após o tsunami

As consequências dos desastres gêmeos também deixaram as cidades e vilas costeiras do Japão com quase 25 milhões de toneladas de entulho. Somente em Ishinomaki, havia 17 locais de coleta de lixo com 180 metros de comprimento e pelo menos 4,5 metros de altura. Um funcionário do departamento de coleta de lixo do governo da cidade estimou que levaria três anos para esvaziar esses locais.

Em abril de 2015, as autoridades da costa do Oregon descobriram destroços que se pensava serem de um barco destruído durante o tsunami. A carga continha peixes ainda vivos. A KGW estima que mais de 1 milhão de toneladas de detritos ainda permanecem no Oceano Pacífico.

Em fevereiro de 2016, um memorial foi inaugurado por dois arquitetos para as vítimas do desastre, consistindo em uma estrutura de 6,5 metros quadrados em uma encosta entre um templo e uma cerejeira em Ishinomaki.

Reações internacionais

Marinheiros dos Estados Unidos carregando um helicóptero humanitário em um porta-aviões.

O Japão recebeu mensagens de condolências e ofertas de ajuda de diversos líderes internacionais. De acordo com as Nações Unidas, equipes de busca e resgate de 45 países foram oferecidas ao Japão. O país requisitou especificamente equipes da Austrália, Nova Zelândia, Coreia do Sul, Reino Unido e Estados Unidos; solicitou também (através de sua agência espacial JAXA) a ativação do International Charter on Space and Major Disasters, permitindo que imagens via satélite das regiões afetadas fossem compartilhadas de forma imediata com organizações de ajuda e resgate. A Alemanha enviou especialistas do Technisches Hilfswerk, enquanto o Reino Unido enviou 70 técnicos, incluindo dois cães farejadores especialmente treinados para localizar sobreviventes soterrados. Ma Ying-Jeou, presidente de Taiwan, requisitou ao governo a doação de 100 milhões de novos dólares taiwaneses ao Japão, enquanto uma equipe de resgate taiwanesa preparava-se para juntar-se aos esforços humanitários.

O Governo brasileiro enviou nota de solidariedade ao Japão, prestando sinceras condolências a todo povo japonês. O Governo acompanha, com preocupação, os desdobramentos após o terremoto e o consequente tsunâmi. O Brasil possui a maior colônia de imigrantes japoneses e inúmeros descendentes. Cerca de 254 mil brasileiros vivem atualmente no Japão. A Embaixada do Brasil no Japão e os Consulados Gerais em Tóquio, Nagoia e Hamamatsu até o momento não têm notícia de mortos ou feridos brasileiros.

O Presidente da República Portuguesa, Aníbal Cavaco Silva, enviou uma mensagem de condolências ao Imperador Akihito e ao povo japonês, em nome do povo português, pelas vítimas dos trágicos efeitos do sismo e do tsunâmi que atingiram o Japão.

Resposta científica e de pesquisa

Comparação da radiação de Fukushima com outros incidentes e padrões, com gráfico dos níveis de radiação registrados e eventos de acidentes específicos. (Nota: não inclui todas as leituras de radiação do site Fukushima Daini) Um barco danificado arrastado pelo tsunami para uma estrada em Kesennuma

Os sismólogos previram que um terremoto muito grande ocorreria no mesmo local que o terremoto de Kanto de 1923 - no Sagami Trough, a sudoeste de Tóquio. O governo japonês havia rastreado os movimentos das placas desde 1976 em preparação para o chamado terremoto de Tokai, previsto para ocorrer naquela região. No entanto, como aconteceu 373 quilômetros a nordeste de Tóquio, o terremoto Tōhoku foi uma surpresa para os sismólogos. Embora o Fossa do Japão fosse conhecida por criar grandes terremotos, não se esperava que gerasse terremotos acima de uma magnitude 8,0.

O terremoto deu aos cientistas a oportunidade de coletar uma grande quantidade de dados para modelar os eventos sísmicos que ocorreram em grande detalhe. Espera-se que esses dados sejam usados de várias maneiras, fornecendo informações sem precedentes sobre como os edifícios respondem a tremores e outros efeitos. Os dados gravimétricos do terremoto foram usados para criar um modelo para aumentar o tempo de alerta em comparação com os modelos sísmicos, pois os campos de gravidade viajam mais rápido que as ondas sísmicas.

Os pesquisadores também analisaram os efeitos econômicos desse terremoto e desenvolveram modelos de propagação nacional por meio de redes de abastecimento interfirmas do choque que se originou na região de Tōhoku.

O Japan Trench Fast Drilling Project, uma expedição científica realizada em 2012–2013, perfurou poços no fundo do oceano através da zona de falha do terremoto e reuniu dados importantes sobre o mecanismo de ruptura e as propriedades físicas da falha que causou o terremoto e o tsunami de 2011.

Pesquisa ecológica

O terremoto e o tsunami de Tōhoku em 2011 tiveram um grande impacto ambiental na costa leste do Japão. A raridade e a magnitude do terremoto-tsunami levaram os pesquisadores Jotaro Urabe, Takao Suzuki, Tatsuki Nishita e Wataru Makino a estudar seus impactos ecológicos imediatos nas comunidades planas intertidais na baía de Sendai e na costa de Sanriku Ria. Pesquisas pré e pós-evento mostram uma redução na riqueza de táxons animais e mudanças na composição de táxons atribuídas principalmente ao tsunami e seus impactos físicos. Em particular, animais epibentônicos sésseis e animais endobentônicos diminuíram em riqueza de táxons. Animais epibênticos móveis, como caranguejos-eremitas, não foram tão afetados. Os pós-pesquisas também registraram táxons que não haviam sido registrados anteriormente, sugerindo que os tsunamis têm o potencial de introduzir espécies e alterar a composição dos táxons e a estrutura da comunidade biológica local. Os impactos ecológicos de longo prazo na Baía de Sendai e na maior costa leste do Japão requerem mais estudos.

Reconstrução e recuperação

Detritos estão sendo carregados em um contêiner especial para envio à prefeitura de Fukuoka

Após o terremoto e tsunâmi, foram realizados diversos trabalhos de recuperação e reconstrução das áreas atingidas. Apesar de alguns atrasos, o governo japonês gastou e investiu bilhões de dólares na recuperação das comunidades, através de ações como a elevação das cidades, construção de barreiras e muros contra futuros tsunâmis, além da limpeza e descontaminação das regiões afetadas pelo vazamento de radiação da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi I.

Em Minamisanriku, na província de Miyagi, na região onde antes era a cidade, foi construído o Parque Memorial do Terremoto em Minamisanriku. Inaugurado no dia 17 de Dezembro de 2019, o parque possui locais e monumentos em memória as vítimas do terremoto e do tsunâmi na cidade, dentre eles, a estrutura de prédio do departamento de prevenção de desastres da cidade que permaneceu em pé após o tsunâmi.

Em Futaba, na província de Fukushima, foi inaugurado e aberto ao público em 2020 o Museu do Grande Terremoto do Leste do Japão e Memorial do Desastre Nuclear na cidade, localizado a quatro quilômetros da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi I, possui seis seções, contando com um acervo de 240 mil itens como imagens, vídeos, telas e objetos, além da colaboração de moradores contando suas experiências pessoais sobre a cidade antes e depois do terremoto e o tsunâmi, a evacuação e o trabalho de descontaminação.

Em Rikuzentakata, na província de Iwate, foi inaugurado o Memorial do Tsunâmi de Iwate em 2020. Dividido em quatro zonas, o museu conta com um acervo de 150 itens em exposição sobre o terremoto e o tsunâmi em 2011 tanto na cidade quanto ao longo da costa de Sanriku, além de falar sobre os perigos causados por estes tipos de desastres naturais.

Ver também

Referências

  1. a b «Análise do USGS de 13-03-2011». Earthquake.usgs.gov. Consultado em 13 de março de 2011 
  2. «Information on the 2011 Great East Japan Earthquake». www.jma.go.jp. Consultado em 1 de março de 2022 
  3. a b "Damage Situation and Police Countermeasures... 10 February, 2016" National Police Agency of Japan. Retrieved 4 March, 2016. (from "deaths" template)
  4. «Conferência de imprensa do primeiro-ministro Naoto Kan» (em inglês). Gabinete do Primeiro-Ministro do Japão. Consultado em 1 de abril de 2011. Arquivado do original em 18 de abril de 2011 
  5. «Kan names quake at pep talk». The Japan Times. 2 de abril de 2011. Consultado em 2 de abril de 2011. Cópia arquivada em 4 de abril de 2011 
  6. «M 9.1 - near the east coast of Honshu, Japan». earthquake.usgs.gov. Consultado em 18 de novembro de 2016 
  7. a b Reilly, Michael (11 de março de 2011). «Japan's quake updated to magnitude 9.0». New Scientist. Consultado em 11 de março de 2011 
  8. Roland Buerk. «Japan earthquake: Huge relief mission launched». News. UK: BBC. Consultado em 12 de março de 2011 
  9. a b «Tsunami bulletin number 3». Pacific Tsunami Warning Center/NOAA/NWS. 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011 
  10. Wire Staff (11 de março de 2011). «Tsunami warnings issued for at least 20 countries after quake». CNN. Consultado em 11 de março de 2011 
  11. «PTWC warnings complete list». Consultado em 11 de março de 2011 
  12. «World English». NHK. 12 de março de 2011. Consultado em 12 de março de 2011. Arquivado do original em 23 de julho de 2012 
  13. Wire Staff. «Report: Explosion at Japanese nuclear plant». World. CNN. Consultado em 12 de março de 2011 
  14. «Huge blast at Japan nuclear power plant (with video of explosion)». BBC News. 12 de março de 2011. Consultado em 12 de março de 2011 
  15. «O Terremoto no Japão - Mundo Educação». Mundo Educação. Consultado em 30 de novembro de 2016 
  16. «Magnitude 8.9 – NEAR THE EAST COAST OF HONSHU, JAPAN 2011 March 11 05:46:23 UTC». United States Geological Survey (USGS). Consultado em 11 de março de 2011 
  17. «8.9 Earthquake in Japan, Tsunami Warning to Russia, Taiwan and South East Asia». 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011 
  18. «Japan quake – 7th largest in recorded history». 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  19. «Terremoto no Japão é 7º mais forte da história». BBC News Brasil. 11 de março de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  20. Japan earthquake and tsunami: what happened and why|World news.
  21. «震災の揺れは6分間 キラーパルス少なく 東大地震研». Asahi Shimbun. Japan. 17 de março de 2011. Consultado em 18 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  22. Boadle, Anthony (11 de março de 2011). «UPDATE 3-USGS upgrades Japan quake to 8.9 magnitude». Reuters. Consultado em 18 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  23. «USGS Updates Magnitude of Japan's 2011 Tōhoku Earthquake to 9.0». United States Geological Survey (USGS). 14 de março de 2011. Consultado em 18 de março de 2011. Arquivado do original em 18 de março de 2011 
  24. Lovett, Richard A. (14 de março de 2011). «Japan Earthquake Not the 'Big One'?». National Geographic News. Consultado em 15 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  25. «地震情報 – 2011年3月10日 15時6分 – 日本気象協会 tenki.jp». Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 18 de abril de 2011 
  26. «Earthquake Information». Japan Meteorological Agency. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 24 de março de 2011 
  27. «Earthquake strikes near Japan's Fukushima nuclear plant; no reports of damage». The Star. Toronto. Associated Press. 25 de outubro de 2013. Consultado em 25 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2013 
  28. a b Energy from quake: if harnessed, could power L.A. for a year. CBS News via YouTube (Google). 12 de março de 2011. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  29. a b c d e «Quake shifted Japan by over two metres». Deutsche Welle. 14 de março de 2011. Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 15 de março de 2011 
  30. a b c d e f g Chang, Kenneth (13 de março de 2011). «Quake Moves Japan Closer to U.S. and Alters Earth's Spin». The New York Times. Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  31. a b c d Chai, Carmen (11 de março de 2011). «Japan's quake shifts earth's axis by 25 centimetres». Montreal Gazette. Montreal: Postmedia News. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  32. «大地震で一日が短縮、軸の振動も変化». National Geographic (em japonês). Arquivado do original em 13 de maio de 2013 
  33. a b «GOCE: The First Seismometer in Orbit». 8 de março de 2013. Consultado em 21 de agosto de 2016 
  34. 未来を考える力を 気仙沼復興レポート㉘ 地盤の沈下と隆起 11 de junho de 2016 今川 悟
  35. «震災で沈下の地盤が隆起、高すぎる岸壁に漁師困惑». TBS Newsi. 11 de outubro de 2014. Consultado em 2 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2014 
  36. 地盤が隆起 漁業者困惑 最大40センチ、積み荷に影響 三陸沿岸で地殻変動か Nikkei 9 de março de 2015
  37. 東北沿岸、地震で沈んだ地盤が謎の隆起 マントル影響か Nikkei 27 de fevereiro de 2017
  38. EFE, Agencia (7 de abril de 2011). «Terremoto de magnitude 7,4 atinge Japão; há alerta de tsunami». Mundo. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  39. «Four dead as new tremor hits Japan disaster zone». 8 de abril de 2011. Consultado em 8 de abril de 2011 
  40. «Fukushima Nuclear Accident Update Log». www.iaea.org (em inglês). 7 de abril de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  41. «Magnitude 6.6 - EASTERN HONSHU, JAPAN». web.archive.org. 28 de julho de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  42. «At least 6 killed in new Japan earthquake». web.archive.org. 2 de junho de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  43. «3県で津波観測、注意報を解除 福島沖でM7.1:朝日新聞デジタル». 26 de outubro de 2013. Consultado em 26 de outubro de 2013 
  44. «10-degree Map Centered at 35°N,140°E». web.archive.org. 28 de julho de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  45. «Tōhoku, Japan 2011 Tsunami». www.ngdc.noaa.gov. 22 de agosto de 2013. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  46. «気象庁|M5.0以上の余震回数». www.data.jma.go.jp. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  47. «Terremoto que atingiu região de Fukushima provoca abalo 10 anos depois no Japão». CNN Brasil. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  48. «Terremoto com epicentro no mar a leste do Japão é sentido em Tóquio e Fukushima». G1. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  49. Richard A. Clarke; R.P. Eddy (2017). Warnings: Finding Cassandras to stop catastrophe. : Harper Collins 
  50. Sawai, Yuki; Namegaya, Yuichi (9 de novembro de 2012). «Challenges of anticipating the 2011 Tohoku earthquake and tsunami using coastal geology». Geophysical Research Letters. 39 (21): L21309. Bibcode:2012GeoRL..3921309S. doi:10.1029/2012GL053692Acessível livremente 
  51. Goto, Kazuhisa; Chagué-Goff, Catherine (29 de agosto de 2012). «The future of tsunami research following the 2011 Tōhoku-oki event» (PDF). Sedimentary Geology. 282: 1–13. Bibcode:2012SedG..282....1G. doi:10.1016/j.sedgeo.2012.08.003. Cópia arquivada (PDF) em 28 de maio de 2015 
  52. Minoura, K.; Imamura F.; Sugawara D.; Kono Y.; Iwashita T. (2001). «The 869 Jōgan tsunami deposit and recurrence interval of large-scale tsunami on the Pacific coast of northeast Japan» (PDF). Journal of Natural Disaster Science. 23 (2): 83–88 
  53. Satake, K.; Sawai, Y.; Shishikura, M.; Okamura, Y.; Namegaya, Y.; Yamaki, S. (2007). «Tsunami source of the unusual AD 869 earthquake off Miyagi, Japan, inferred from tsunami deposits and numerical simulation of inundation». American Geophysical Union, Fall Meeting 2007, Abstract #T31G-03. 31: T31G–03. Bibcode:2007AGUFM.T31G..03S 
  54. a b Ian Sample (11 de março de 2011). «newspaper: Japan earthquake and tsunami: what happened and why». The Guardian. London. Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  55. Maugh, Thomas H (11 de março de 2011). «Size of Japan's quake surprises seismologists». Los Angeles Times. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  56. «地震調査委 想定外の連動地震 NHKニュース». .nhk.or.jp. Consultado em 12 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  57. «時事ドットコム:M8.8、死者300人超=行方不明540人以上−大津波10m・宮城で震度7». Jiji.com. Consultado em 12 de março de 2011. Arquivado do original em 13 de dezembro de 2013 
  58. «気象庁"マグニチュードは9.0" NHKニュース». .nhk.or.jp. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  59. «asahi.com(朝日新聞社):地殻破壊3連鎖、計6分 専門家、余震拡大に警鐘 – 東日本大震災». Asahi Shimbun. Japan. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  60. Arquivado em 2011-12-07 no Wayback Machine
  61. "Spatial distribution and focal mechanisms of aftershocks of the 2011 off the Pacific coast of Tōhoku Earthquake" by Y. Asano, T. Saito, Y. Ito, K. Shiomi, H. Hirose, T. Matsumoto, S. Aoi, S. Hori, and S. Sekiguchi.
  62. Okada, Norio; Ye, Tao; Kajitani, Yoshio; Shi, Peijun; Tatano, Hirokazu (8 de agosto de 2012). «The 2011 eastern Japan great earthquake disaster: Overview and comments». Springer. International Journal of Disaster Risk Science. 2: 34–42. doi:10.1007/s13753-011-0004-9Acessível livremente 
  63. «USGS.gov: USGS WPhase Moment Solution». Earthquake.usgs.gov. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  64. Okada Yoshimitsu (25 de março de 2011). «Preliminary report of the 2011 off the Pacific coast of Tōhoku Earthquake» (PDF). National Research Institute for Earth Science and Disaster Prevention (NIED). Consultado em 12 de março de 2012. Arquivado do original (PDF) em 21 de outubro de 2016 
  65. «Asian Disaster Reduction Center(ADRC)». Adrc.asia. Consultado em 17 de março de 2011. Cópia arquivada em 7 de abril de 2011 
  66. «Asian Disaster Reduction Center (ADRC) Information Sharing on Disaster Reduction». Adrc.asia. Consultado em 17 de março de 2011. Cópia arquivada em 24 de março de 2011 
  67. The 2011 Tōhoku earthquake and tsunami has been assigned GLIDE identifier EQ-2011-000028-JPN by the Asian Disaster Reduction Center.
  68. «Japan Meteorological Agency | Earthquake Information». Jma.go.jp. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 24 de março de 2011 
  69. «震度データベース検索». www.data.jma.go.jp. Consultado em 18 de junho de 2021 
  70. Rincon, Paul (14 de março de 2011). «How the quake has moved Japan». BBC News. Consultado em 15 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  71. Reilly, Michael. «Japan quake fault may have moved 40 metres». New Scientist. Arquivado do original em 13 de março de 2011 
  72. «Japan seabed shifted 24 metres after March quake». Reuters. 7 de abril de 2011 
  73. a b «Earth's day length shortened by Japan earthquake». CBS News. 13 de março de 2011. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 13 de março de 2011 
  74. Harris, Bethan (14 de março de 2011). «Can an earthquake shift the Earth's axis?». BBC News. Consultado em 15 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  75. «Will Tokyo become a modern-day Pompeii?». Japan Today (em inglês). Consultado em 27 de março de 2023 
  76. Union, American Geophysical. «An earthquake in Japan caused large waves in Norwegian fjords». phys.org. Consultado em 16 de abril de 2022 
  77. Fukue, Natsuko (30 de março de 2012). «Liquefaction driving away Chiba residents». The Japan Times. p. 3 
  78. Fukue, Natsuko (8 de abril de 2011). «Urayasu still dealing with liquefaction». The Japan Times. p. 4. Consultado em 7 de abril de 2011. Arquivado do original em 10 de abril de 2011 
  79. Yomiuri Shimbun, "Liquefaction Damage Widespread", 10 de abril de 2011.
  80. Bloomberg L.P., "Tokyo Disneyland's parking lot shows the risk of reclaimed land", The Japan Times, 24 de março de 2011, p. 3.
  81. Hennessy-Fiske, Molly (13 de março de 2011). «Volcano in southern Japan erupts». Los Angeles Times. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 13 de março de 2011 
  82. Ananthaswamy, Anil (15 de março de 2011). «Japan quake shifts Antarctic glacier». Consultado em 15 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  83. Gross, Richard (19 de março de 2011). «Japan Earthquake May Have Shifted Earth's Axis». NPR 
  84. NHK BS News reported 2011-04-03-02:55 JST
  85. «Tsunami bulletin number 3». Pacific Tsunami Warning Center/NOAA/NWS. 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  86. «Tsunami warnings issued for at least 20 countries after quake». CNN. 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 12 de março de 2011 
  87. «PTWC warnings complete list». Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 30 de maio de 2012 
  88. «Distance between Dichato, Chile and Sendai, Japan is 17228 km». Mapcrow.info. 23 de outubro de 2007. Consultado em 15 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  89. Attwood, James (12 de março de 2011). «Chile Lifts Tsunami Alerts After Japan Quake Spawns Waves». Bloomberg. Consultado em 15 de março de 2011. Arquivado do original em 12 de março de 2011 
  90. «Chilean site: (Tsunami) waves penetrated 70–100 m in different parts of the country». Publimetro.cl. Consultado em 17 de março de 2011. Arquivado do original em 17 de março de 2011 
  91. Yomiuri Shimbun evening edition 2-11-04-15 page 15, nearby Aneyoshi fishery port (姉吉漁港)(Google map E39 31 57.8, N 142 3 7.6) 2011-04-15, 大震災の津波、宮古で38.9 m…明治三陸上回る by okayasu Akio (岡安 章夫) Arquivado em 2011-04-18 no Wayback Machine
  92. «Tsunami Warning / Advisory and Tsunami Information». Consultado em 18 de abril de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  93. «Tsunami Information (Estimated Tsunami arrival time and Height)». 11 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de abril de 2011 
  94. 津波による浸水範囲の面積(概略値)について(第5報) (PDF) (em japonês). Geospatial Information Authority in Japan(国土地理院). 18 de abril de 2011. Consultado em 20 de junho de 2011. Arquivado do original (PDF) em 23 de junho de 2011 
  95. «Japan hit by massive earthquake». BBC News. 11 de março de 2011 
  96. Reuters. «Quake causes many injuries in Japan, tsunami». Consultado em 11 de março de 2011 
  97. «Japan hit by massive earthquake». BBC News. 11 de março de 2011 
  98. a b «News: Tsunami rolls through Pacific, Sendai Airport under water, Tokyo Narita closed, Pacific region airports endangered». Avherald.com. 6 de julho de 2001. Consultado em 11 de março de 2011 
  99. «10-meter tsunami observed in area near Sendai in Miyagi Pref». The Mainichi Daily News. 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011 
  100. «Japan 8.9-magnitude earthquake sparks massive tsunami». Herald Sun. Associated Press. Consultado em 11 de março de 2011 
  101. Herald Sun. «Japan 8.9-magnitude earthquake sparks massive tsunami». Consultado em 11 de março de 2011 
  102. NHK News, ~16:00 JST.
  103. «Earthquake, tsunami wreak havoc in Japan». rian.ru. 11 de março de 2011. Consultado em 13 de março de 2011 
  104. «9,500 unaccounted for in Miyagi's Minamisanriku: local gov't - The Mainichi Daily News». Mdn.mainichi.jp. Consultado em 13 de março de 2011 
  105. «Whole towns gone-no cars or people seen». Yomiuri. Consultado em 13 de março de 2011 
  106. Navy braces for tsunami, prepares for relief mission, Navy Times, Sam Fellman, 11 Mar 2011
  107. State estimates tsunami damage at $3 million or more, Star Advertiser, B.J. Reyes, 11 de março de 2011
  108. «Tsunami Warning and Advisory #7 issued 03/11/2011 at 3:39 am PST». Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 18 de abril de 2011 
  109. Tsunami Damages Santa Cruz, Crescent City Harbors Arquivado em 16 de março de 2011, no Wayback Machine., KSBW, 11 de março de 2011
  110. Brookings reports extensive harbor damage from tsunami, KVAL, 11 March 2011
  111. Tsunami: Swell overturns 10 boats on Catalina Island, LA Times, 11 de março de 2011
  112. a b Minor damage in Latin America by Japan's tsunami, channelnewsasia.com, 13 de março de 2011
  113. a b c d Heath, Chris (12 de março de 2012). «Graduation Day». GQ. Cópia arquivada em 10 de março de 2021 
  114. a b c «特‐4 東日本大震災による死者の死因等について(平成24年3月11日現在)». 平成24年警察白書. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2013 
  115. a b «平成23年(2011年)東北地方太平洋沖地震(東日本大震災)について(第161報)(令和3年3月9日)» (PDF). 総務省消防庁災害対策本部. Consultado em 10 de março de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 9 de março de 2021 
  116. «原発事故・7年後の「英雄たち」 1万2000人の作業員が健康調査に応じない理由» . NHK. 12 de março de 2018. Cópia arquivada em 9 de maio de 2018 
  117. 3.11「震災関連死」という問い 福島県の分析を通して Arquivado em 2017-10-29 no Wayback Machine 野口典子
  118. 福島の震災関連死2000人超す 原発避難の長期化影響 28 de dezembro de 2015 Nikkei
  119. Smith, Alexander (10 de setembro de 2013). «Fukushima evacuation has killed more than earthquake and tsunami, survey says». Consultado em 11 de setembro de 2013. Arquivado do original em 27 de outubro de 2013 
  120. «Stress-induced deaths in Fukushima top those from 2011 natural disasters». Arquivado do original em 27 de setembro de 2013 
  121. McCurry, Justin (15 de março de 2011). «Japan earthquake: 100,000 children displaced, says charity». The Guardian. London. Consultado em 15 de março de 2011. Arquivado do original em 5 de junho de 2022 
  122. Kyodo News, "More quake orphan benefits sought", The Japan Times, 18 de setembro de 2011, p. 1.
  123. Agence France-Presse/Jiji Press, "At least 82 children were orphaned by disaster, government says", The Japan Times, 10 de abril de 2011, p. 2.
  124. Kyodo News, "Grandparents stifle grief to raise orphaned boy", The Japan Times, 23 de fevereiro de 2012, p. 3.
  125. Kyodo News, "Tōhoku teen feels guilt of being lone survivor", The Japan Times, 24 de fevereiro de 2012, p. 3.
  126. Kyodo News, "378 students killed, 158 missing in disaster", The Japan Times, 29 de abril de 2011, p. 2.
  127. Associated Press, "Loss-staggered school reopens Arquivado em 2011-05-14 no Wayback Machine", Japan Times, 19 de abril de 2011, p. 3.
  128. Kyodo News, "Loss-hit Ishinomaki school opens", The Japan Times, 22 de abril de 2011, p. 2.
  129. Kyodo News, "School that lost 70% of its pupils mourns Arquivado em 2011-05-02 no Wayback Machine", Japan Times, 29 de abril de 2011, p. 1.
  130. «Japan confirms death of 19 foreigners in March 11 quake, tsunami». Kyodo News. 5 de abril de 2011. Consultado em 7 de abril de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  131. «Body of second American found in Japan». CNN. 7 de abril de 2011. Consultado em 7 de abril de 2011. Arquivado do original em 8 de abril de 2011 
  132. «Quebec priest killed in Japanese tsunami». Montreal Gazette. Montreal. 13 de março de 2011. Consultado em 7 de abril de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  133. Shinde, Jayesh (11 de março de 2011). «Google Person Finder for Japan Earthquake/Tsunami launched». PC World. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  134. «Person finder» Japan ed. Appspot. Arquivado do original em 11 de março de 2011 
  135. Wines, Michael (23 de março de 2011). «As Tsunami Robbed Life, It Also Robs Rite of Death». The New York Times. Consultado em 11 de abril de 2011. Arquivado do original em 26 de março de 2011 
  136. Nishikawa, Yoko (23 de março de 2011). «Quake-ravaged Japan digs mass graves». Reuters. Consultado em 27 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  137. Allen, Nick (24 de março de 2011). «Japan earthquake: country begins burying dead in mass graves». The Daily Telegraph. London. Consultado em 27 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  138. Wines, Michael (24 de março de 2011). «As Tsunami Robbed Life, It Also Robs Rite of Death». The New York Times. pp. A12. Consultado em 27 de março de 2011. Arquivado do original em 25 de abril de 2012 
  139. «Burials in Quake-Hit Towns Deepen Japan's Tragedy». The New York Times. Associated Press. 27 de março de 2011. Consultado em 27 de março de 2011 
  140. Kyodo News, "GSDF member dies during relief", The Japan Times, 28 de maio de 2011, p. 2.
  141. Kyodo News, "Illness, suicides drive up disaster-linked toll", The Japan Times, 4 de março de 2012, p. 2.
  142. Jiji Press, "Disaster reconstruction work has claimed 18 lives so far", The Japan Times, 6 de junho de 2012, p. 1
  143. «California tsunami death: NorCal man drowns trying to photograph tsunami – KSWB». Fox5sandiego.com. Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 18 de abril de 2011 
  144. «film shown by BBC showing only rubble where there were buildings». BBC News. 13 de março de 2011. Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  145. «Before-and-after satellite photographs of devastated regions». Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 13 de março de 2011 
  146. «animated images showing undamaged places become damaged». BBC. 14 de março de 2011. Consultado em 15 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  147. Onishi, Norimitsu (13 de março de 2011). «Seawalls Offered Little Protection Against Tsunami's Crushing Waves». The New York Times. Consultado em 15 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  148. NHK, "190,000 buildings damaged by 11 March quake", 3 de abril de 2011.
  149. Kyodo News, "Fishermen to Tepco: Don't release water", The Japan Times, 9 de junho de 2011, p. 1.
  150. Agence France-Presse/Jiji Press, "Radiation, legalities complicate cleanup efforts", The Japan Times, 9 de abril de 2011, p. 2.
  151. Kamiya, Setsuko, "Debris removal, recycling daunting, piecemeal labor", The Japan Times, 30 de junho de 2011, p. 3.
  152. «Police Countermeasures and Damage Situation associated with 2011 Tohoku district – off the Pacific Ocean Earthquake March 10, 2021» (PDF). National Police Agency of Japan. Consultado em 10 de setembro de 2018. Arquivado do original (PDF) em 22 de setembro de 2017 
  153. Roland Buerk (11 de março de 2011). «Japan earthquake: Tsunami hits north-east». BBC. Consultado em 12 de março de 2011. Arquivado do original em 12 de março de 2011 
  154. Saira Syed – "Japan quake: Infrastructure damage will delay recovery" – 16 de março de 2011 – BBC News – Acessado em 18 de março de 2011.
  155. «Japanese PM: 'Toughest' crisis since World War II». CNN. 13 de março de 2011. Consultado em 12 de março de 2012. Arquivado do original em 31 de março de 2011 
  156. a b NPR Staff and Wires (14 de março de 2011). «Millions of Stricken Japanese Lack Water, Food, Heat». NPR. Consultado em 16 de março de 2011. Arquivado do original em 17 de março de 2011 
  157. Kyodo News, "Applications to deregister cars lost in tsunami soar, The Japan Times, 16 de junho de 2011, p. 1.
  158. «Snow piles more misery on Japan's devastated northeast». Reuters. 16 de março de 2011. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2017 
  159. «過去の気象データ検索 > 石巻 2011年3月11日(10分ごとの値)» . Japan Meteorological Agency. Consultado em 12 de abril de 2021. Cópia arquivada em 12 de abril de 2021 
  160. a b «凍てつく被災地 雪降り積む夜、囲む焚き火» . Asahi Shimbun (em Japanese). 16 de março de 2011. Cópia arquivada em 21 de março de 2021  !CS1 manut: Língua não reconhecida (link)
  161. «無情の雪 増す疲労 沿岸真冬並み寒さ 「とにかく燃料必要」» . Iwate Nippo. 17 de março de 2011. Consultado em 8 de agosto de 2021. Arquivado do original em 12 de setembro de 2017 
  162. a b «過去の気象データ検索 > 仙台 2011年3月(日ごとの値) 主な要素» . Japan Meteorological Agency. Consultado em 12 de abril de 2021. Cópia arquivada em 12 de abril de 2021 
  163. Jesse Allen and Robert Simmon. «Earthquake and Tsunami near Sendai, Japan». NASA Earth Observatory. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2019 
  164. Kim, Kyung-Hoon; Sagolj, Damir (16 de março de 2011). «Pictures: Snowfall in Japan». Reuters 
  165. Sim, David (29 de dezembro de 2016). «60 powerful photos of the earthquake and tsunami that hit Japan five years ago». International Business Times 
  166. «Drowning in Plastics – Marine Litter and Plastic Waste Vital Graphics». UNEP - UN Environment Programme. 21 de outubro de 2021. Consultado em 23 de março de 2022 
  167. «Japan's Afternoon of Horror». The Gulf Today. 12 de março de 2011. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 13 de março de 2011 
  168. «Dam Breaks in Northeast Japan, Washes Away Homes». Arab Times Online. 12 de março de 2011. Consultado em 13 de março de 2012. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  169. Azuma, Kita (12 de março de 2011). «Pacific Ocean coast Earthquake» (em japonês). MSN. Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 13 de abril de 2011 
  170. ダム決壊 5棟流出 福島・須賀川 (em japonês). Fukushima News. 13 de março de 2011. Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 28 de março de 2011 
  171. «Death toll from powerful Japan quake likely to top 1,000». Consultado em 6 de maio de 2018. Arquivado do original em 2 de junho de 2011 
  172. ダム決壊 8人が行方不明 須賀川・藤沼ルポ (em japonês). Fukushima News. 12 de março de 2011. Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 28 de março de 2011 
  173. «A quick report on Japanese Dams after the Earthquake». Chinese National Committee on Large Dams. 12 de março de 2011. Consultado em 15 de março de 2011. Arquivado do original em 26 de março de 2011 
  174. Uranaka, Taiga; Kwon, Ki Joon (14 de março de 2011). «Quake-hit Japan battles to avert radiation leak». Reuters. Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  175. a b Nomiyama, Chiz (21 de março de 2011). «Factbox: Japan disaster in figures». Reuters. Consultado em 21 de março de 2011. Arquivado do original em 24 de março de 2011 
  176. Inajima, Tsuyoshi; Okada, Yuji (11 de março de 2011) "Japanese Quake Forces Evacuation Near Nuclear Reactor; Oil Refinery Burns", Bloomberg L.P..
  177. Kyodo News, "Utilities' monopoly on power backfires", The Japan Times, 30 de março de 2011, p. 2.
  178. «Power Outage To Deal Further Blows To Industrial Output». Nikkei.com. 14 de março de 2011. Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  179. «東京電力ホームページ – エネルギーの最適サービスを通じてゆたかで快適な環境の実現に貢献します –». Tokyo Electric Power Company. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2011 
  180. «News». Nikkan Sports. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 15 de março de 2011 
  181. Joe, Melinda, "Kanto area works on energy conservation", The Japan Times, 17 de março de 2011, p. 11.
  182. A legacy from the 1800s leaves Tokyo facing blackouts, ITworld, 18 de março de 2011 Arquivado em 2011-04-07 no Wayback Machine
  183. Hongo, Jun, "One certainty in the crisis: Power will be at a premium", The Japan Times, 16 de março de 2011, p. 2.
  184. NHK, "Steel makers provide TEPCO with electricity", 27 de março de 2011.
  185. Nakata, Hiroko, "Auto industry agrees to adopt weekend work shifts", The Japan Times, 20 de maio de 2011, p. 1.
  186. Rubin, Jeffrey "Setsuden Poised to Replace Nuclear Power in Japan ""The Huffington Post", 4 de agosto de 2011.
  187. 節電について Arquivado em 2018-10-06 no Wayback Machine, 今夏の電力需給状況について Arquivado em 2011-10-27 no Wayback Machine, 最大電力の動向 Arquivado em 2011-10-27 no Wayback Machine TEPCO, Access Date: 9 de outubro de 2011
  188. 7月分の電力需給実績について Arquivado em 2017-08-01 no Wayback Machine TEP, 26 de agosto de 2011
  189. 8月分の電力需給実績について Arquivado em 2017-08-01 no Wayback Machine TEP, 28 de setembro de 2011
  190. 9月定例社長記者会見概要 Arquivado em 2017-08-01 no Wayback Machine TEP, 10 de setembro de 2011
  191. 政府、今夏は節電要請せず 東日本大震災後初 Nikkei, 13 de maio de 2016
  192. 「節電なし」初の夏が来る 窮地を救う省・再・新 Nikkei, 28 de junho de 2016
  193. 今夏の節電要請見送り 安定的な供給可能 Mainichi Shimbun, 21 de maio de 2017
  194. a b c Fernandez, Clarence (14 de março de 2011). «Japan's shipping, energy sectors begin march back from quake». Reuters. Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  195. Watkins, Eric (11 de março de 2011). «After 8.9 quake, explosion hits pchem complex in Japan». Oil & Gas Journal. PennEnergy.com 
  196. Japan earthquake causes oil refinery inferno The Daily Telegraph, London, 11 de março de 2011
  197. «LPG Tanks Fire Extinguished at Chiba Refinery (5th Update) | COSMO OIL Co., Ltd». Cosmo-oil.co.jp. 11 de março de 2011. Consultado em 7 de setembro de 2011. Arquivado do original em 28 de julho de 2011 
  198. Fires, safety checks take out Japanese refineriesArgus Media, 14 de março de 2011.
  199. Japanese refiners try to offset shortagesArgus Media, 15 de março de 2011.
  200. Tsukimori, Osamu; Negishi, Mayumi (11 de março de 2011). «JX refinery fire seen originated from shipping facility». Reuters. Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 15 de março de 2011 
  201. Tsunami Disaster: "Japan's Sendai says LNG Infrastructure Badly Damaged"Argus Media, 16 de março de 2011.
  202. Kensuke, Kanekiyo; Ishimura, Akira, eds. (março de 2011). «Eastern Japan paralyzed by unprecedented earthquake» (PDF). Japan Energy Brief (12) 
  203. a b «Japan earthquake: Evacuations ordered as fears grow of radiation leak at nuclear plant; News.com.au». Agence France-Presse. 12 de março de 2011. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  204. a b «Japan initiates emergency protocol after earthquake». Nuclear Engineering International. 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 24 de março de 2011 
  205. Lipscy, Phillip Y; Kushida, Kenji E; Incerti, Trevor (2013). «The Fukushima Disaster and Japan's Nuclear Plant Vulnerability in Comparative Perspective». Environmental Science & Technology. 47 (12): 6082–6088. Bibcode:2013EnST...47.6082L. PMID 23679069. doi:10.1021/es4004813 
  206. Sample, Ian (13 de março de 2011). «Japan's nuclear fears intensify at two Fukushima power stations». The Guardian. London. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 15 de março de 2011 
  207. a b Japan Earthquake: More Nuclear Plants Lose Power, International Business Times, Jesse Emspak, 8 de abril de 2011 Arquivado em 2011-04-10 no Wayback Machine
  208. Yamaguchi, Mari (11 de agosto de 2012). «Nuke plant near quake epicenter undamaged». Associated Press. p. 8. Consultado em 26 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 13 de abril de 2013 
  209. «Nuclear Power in Japan | Japanese Nuclear Energy – World Nuclear Association». world-nuclear.org. Consultado em 5 de março de 2019 
  210. a b McCurry, Justin (11 de março de 2011). «Japan Declares 'Nuclear Emergency' after Quake». The Guardian. London. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  211. Sato, Shigemi (12 de março de 2011). «High radiation in Japanese nuclear plant». Sydney Morning Herald (AFP). anhourago.com.au. Agence France-Presse. Consultado em 13 de março de 2012. Arquivado do original em 14 de março de 2012 
  212. «Japan Tsunami». BBC News. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 29 de janeiro de 2011 
  213. «Radioactive Material May Have Leaked from Japanese Reactor». CNN International. 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  214. Hiroko Tabuchi, Matthew L. Wald.
  215. Chico Harlan (12 de março de 2011). «Japan quake: With two natural disasters and a nuclear emergency, recovery begins]». The Washington Post 
  216. "Analysis: A month on, Japan nuclear crisis still scarring," Arquivado em 2011-04-14 no Wayback Machine International Business Times (Australia). 9 de abril de 2011.
  217. «asahi.com(朝日新聞社):福島市内の水道水から放射性物質検出 国の基準は下回る – 東日本大震災». Asahi Shimbun. Japan. 3 de janeiro de 2011. Consultado em 17 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  218. «1都5県の水道水から放射性物質、国基準下回る : 科学». Yomiuri Shimbun. Japan. 19 de março de 2011. Consultado em 19 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  219. «水道水 制限値を全国で下回る». NHK News. Consultado em 19 de março de 2011. Arquivado do original em 28 de março de 2011 
  220. «asahi.com(朝日新聞社):福島の土壌から微量ストロンチウム 水溶性の放射性物質 – 社会». Arquivado do original em 13 de abril de 2011 
  221. «asahi.com(朝日新聞社):原発から40キロの土壌、高濃度セシウム 半減期30年 – 東日本大震災». Asahi Shimbun. Japan. 1 de março de 2011. Consultado em 26 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  222. «asahi.com(朝日新聞社):東京・神奈川含む汚染マップ公表 一部で1万ベクレル超 – 東日本大震災». Asahi Shimbun. 6 de outubro de 2011. Consultado em 13 de abril de 2012 
  223. Jae Hur (27 de março de 2011). «Food Contamination Set to Rise as Japan Fights Radiation Crisis at Reactor». Bloomberg. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  224. «Fukushima: Japan approves releasing wastewater into ocean». BBC. 13 de abril de 2021 
  225. Mogi, Chikako (11 de março de 2011). «Fire at Tōhoku Elec Onagawa nuclear plant -Kyodo | Reuters». Reuters. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  226. «Fire at nuclear power plant extinguished». The Australian. 12 de março de 2011. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  227. Hafez Ahmed. «March 2011 Japan's atomic plant neighbours mull leaving homes». Thefinancialexpress-bd.com. Consultado em 7 de setembro de 2011. Arquivado do original em 28 de julho de 2011 
  228. «IAEA update on Japan Earthquake». iaea.org. 2011. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  229. «IAEA update on Japan Earthquake». iaea.org. 13 de março de 2011. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 31 de março de 2011 
  230. Chico Harlan, Steven Mufson: Japanese nuclear plants' operator scrambles to avert meltdowns.
  231. «Sea water injected into troubled Fukushima power plant | The Manila Bulletin Newspaper Online». mb.com.ph. 2011. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  232. «Cooling system pump stops at Tokai No.2 plant-Kyodo; Energy & Oil; Reuters». Reuters. 13 de março de 2011. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  233. Takenaka, Kiyoshi (13 de março de 2011). «Tokai No.2 nuke plant cooling process working – operator | Reuters». Reuters. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  234. NHK World, "Tōhoku Expressway Reopened To All Traffic", 24 de março de 2011.
  235. Chu, Kathleen; Sakamaki, Sachiko (24 de março de 2011). «Highway to Japan Quake Area Opens as Casualties Pass 25,000». Bloomberg Businessweek. Consultado em 24 de março de 2011. Arquivado do original em 24 de março de 2011 
  236. NHK News, 23:30 JST
  237. «Many Rail Services in Tokyo Suspended After Quake». NIKKEI. 12 de março de 2011. Consultado em 12 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  238. Associated Press, "When Tokyo's clockwork trains stopped ticking", The Japan Times, 13 de março de 2011, p. 3.
  239. Kyodo News, "Disney reality check for the stuck", The Japan Times, 13 de março de 2011, p. 3.
  240. «Status of Japanese ports 5 days after devastating quake and tsunami». Reuters. 15 de março de 2011. Consultado em 15 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  241. a b Nihon Keizai Shimbun, "90 percent of major transport networks back in operation", 29 de março de 2011.
  242. Fukada, Takahiro, "Iwate fisheries continue struggle to recover", The Japan Times, 21 de setembro de 2011, p. 3.
  243. Jiji Press, "Most disaster-hit fish ports back up", The Japan Times, 26 de maio de 2012, p. 2
  244. «Tokyo Disneyland hit by liquefaction after quake». MediaCorp Channel NewsAsia. 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011 
  245. a b c «Japan issues top tsunami warning after major quake». MediaCorp Channel NewsAsia. 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011 
  246. «Yokota provides support following massive earthquake». Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  247. Kyodo News, "USS Reagan on way", The Japan Times, 13 de março de 2011, p. 2.
  248. «JR東日本:列車運行情報». Traininfo.jreast.co.jp. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 24 de março de 2011 
  249. «脱線のJR仙石線車内から、県警ヘリで9人救出 : 社会 : YOMIURI ONLINE(読売新聞)». Yomiuri Shimbun. Japan. Consultado em 12 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  250. Akiyama, Hironari; Ishibashi, Takeharu (13 de março de 2011). «Kesennuma described as 'hellish sight'». Yomiuri Shimbun. Japan. Consultado em 16 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  251. «23駅流失、線路被害680か所…JR東日本 : 社会 : YOMIURI ONLINE(読売新聞)». Arquivado do original em 3 de abril de 2011 
  252. «Full Tōhoku Shinkansen Line services to be restored by late April». The Asahi Shimbun Company. 30 de março de 2001. Consultado em 2 de abril de 2011. Arquivado do original em 5 de abril de 2011 
  253. «How Japan's Rail Network Survived the Earthquake». Railway Technology. 27 de junho de 2011. Consultado em 22 de agosto de 2013 
  254. «asahi.com(朝日新聞社):東北新幹線、東京―那須塩原で再開 各停、1時間に1本». Asahi Shimbun. Japan. 15 de março de 2011. Consultado em 15 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  255. «No. of dead or missing tops 22,000; bodies buried in rare measure». Japan Today. 22 de março de 2001. Consultado em 2 de abril de 2011. Arquivado do original em 18 de abril de 2011 
  256. «Gradual Restoration of Infrastructure Continues at Disaster Areas». Nikkei. 18 de março de 2001. Consultado em 2 de abril de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  257. «仙台―東京「はやぶさ」8分短縮 半年ぶりダイヤ復旧». Asahi Shimbun. Japan. 23 de setembro de 2011. Consultado em 24 de setembro de 2011 
  258. «asahi.com(朝日新聞社):計画停電で影響が出る主な鉄道(午前7時現在) – 社会». Asahi Shimbun. Japan. Consultado em 14 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  259. «Tokyo phone lines jammed, trains stop». The Times of India. India. 12 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  260. «A Look at the Japanese City Closest to the Quake». NPR.org. Consultado em 26 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  261. «In Japan, Many Undersea Cables Are Damaged: Broadband News and Analysis». Gigaom.com. 14 de março de 2011. Consultado em 17 de março de 2011. Arquivado do original em 15 de março de 2011 
  262. Cowie, James (11 de março de 2011). «Japan Quake – Renesys Blog». Renesys.com. Consultado em 15 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  263. a b «Japan's phone networks remain severely disrupted». Computerworld. 12 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  264. «AT&T, Sprint & Verizon Offer Free Calls & Texts to Japan from U.S. ». Mashable. 14 de março de 2011. Consultado em 30 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  265. «T-Mobile USA Waives Call Charges to Japan and Wi-Fi Calling and Text Messaging Charges to and From Japan». Consultado em 29 de maio de 2011. Arquivado do original em 2 de junho de 2011 
  266. «netTALK Extends Free Calling to Japan Through April». 24 de novembro de 2001. Consultado em 30 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  267. «Vonage offers free calls to Japan». Consultado em 30 de março de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2011 
  268. «Deutsche Telekom: Konzern erleichtert Kommunikation nach Japan». Deutsche Telekom. 17 de março de 2011. Consultado em 13 de março de 2012. Arquivado do original em 14 de março de 2012 
  269. «Mitsubishi Heavy Industries bids goodbye to F2 aircraft». Consultado em 28 de setembro de 2011. Arquivado do original em 30 de setembro de 2011 
  270. «Earthquake devastates Japan F-2 sqd». Consultado em 28 de setembro de 2011 
  271. «Tsunami and earthquake in Japan: latest pictures of the damage». The Daily Telegraph. London. 14 de março de 2011. Consultado em 28 de setembro de 2011. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2022 
  272. «Air SDF to scrap 12 fighters, citing tsunami damage». Consultado em 28 de setembro de 2011. Arquivado do original em 26 de outubro de 2011 
  273. «Damages to Cultural Properties in 'the Great East Japan Earthquake'» (PDF). Agency for Cultural Affairs. 16 de fevereiro de 2012. Consultado em 22 de abril de 2012. Arquivado do original (PDF) em 28 de março de 2012 
  274. 東日本大震災による文化芸術分野の被災状況 (em japonês). Agency for Cultural Affairs. Consultado em 22 de abril de 2012. Arquivado do original em 25 de abril de 2012 
  275. «岡倉天心ゆかりの文化財「六角堂」、津波で消失». Yomiuri Shimbun. 12 de março de 2011. Consultado em 6 de maio de 2011. Arquivado do original em 12 de maio de 2011 
  276. «Damage to Cultural Properties» (PDF). Agency for Cultural Affairs. 27 de abril de 2011. Consultado em 9 de maio de 2011. Arquivado do original (PDF) em 12 de maio de 2011 
  277. «UNESCO move brings joy». Yomiuri Shimbun. Consultado em 9 de maio de 2011. Arquivado do original em 7 de maio de 2011 
  278. Rajib Shaw; Yukiko Takeuchi (2012). East Japan Earthquake and Tsunami: Evacuation, Communication, Education and Volunteerism. Singapore: Research Publishing Services. ISBN 978-981-07-0186-4 
  279. Peter Ford (18 de julho de 2011). «Japan tackles mountains of trash». The Christian Science Monitor. p. 12 
  280. Mejia, Paula (12 de abril de 2015). «Piece of Ship from Japan's 2011 Tsunami Surfaces in Oregon». Newsweek. Consultado em 13 de abril de 2015 
  281. Mairs, Jessica (8 de fevereiro de 2016). «Stone memorial by Koishikawa Architects marks the 2011 Japan earthquake». Dezeen. Consultado em 12 de outubro de 2021 
  282. Nebehay, Stephanie (12 de março de 2011). «Japan requests foreign rescue teams, UN says». Reuters. Consultado em 12 de março de 2011 
  283. a b «Japan earthquake: Aid request to the UK». BBC News. 12 de março de 2011. Consultado em 12 de março de 2011 
  284. «Disaster Charter – Earthquake in Japan». Disasterscharter.org. Consultado em 12 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  285. «Erdbeben in Japan – Angst vor der Kernschmelze – Panorama – sueddeutsche.de». Süddeutsche Zeitung. Consultado em 12 de março de 2011 
  286. «UK sends 70 rescuers» 
  287. «Cópia arquivada» 因應日本宮城縣災情擴大,中華民國政府捐贈日本政府新台幣一億元協助賑災,並呼籲國內各界踴躍捐輸。 (em chinês). Ministry of Foreign Affairs of the Republic of China (Taiwan). 12 de março de 2011. Consultado em 12 de março de 2011. Arquivado do original em 18 de março de 2011 
  288. «Câmara envia nota de solidariedade por terremoto e tsunami no Japão». Consultado em 11 de março de 2011 
  289. «Terremoto no Japão - Nota à Imprensa do Ministério das Relações Exteriores». Consultado em 11 de março de 2011 
  290. «Presidente enviou condolências ao Imperador Akihito pelas vítimas do terramoto e do tsunami que atingiram o Japão». Presidência da República Portuguesa. Consultado em 14 de março de 2011 
  291. Lovett, Richard A. (14 de março de 2011). «Japan Earthquake Not the 'Big One'?». National Geographic News. Consultado em 17 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  292. a b Achenbach, Joel (11 de março de 2011). «Japan: The 'Big One' hit, but not where they thought it would». The Washington Post. Consultado em 17 de março de 2011. Arquivado do original em 28 de abril de 2011 
  293. a b Powell, Devin (17 de março de 2011). «Japan Quake Epicenter Was in Unexpected Location». Wired. Consultado em 17 de março de 2011. Arquivado do original em 19 de março de 2011 
  294. Brown, Eryn (12 de março de 2011). «Japan earthquake shifted Earth on its axis». Los Angeles Times. Consultado em 13 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  295. Montagner, Jean-Paul; Juhel, Kévin; Barsuglia, Matteo; Ampuero, Jean Paul; Chassande-Mottin, Eric; Harms, Jan; Whiting, Bernard; Bernard, Pascal; Clévédé, Eric (2016). «Prompt gravity signal induced by the 2011 Tohoku-Oki earthquake». Nature Communications. 7: 13349. Bibcode:2016NatCo...713349M. PMC 5121411Acessível livremente. PMID 27874858. doi:10.1038/ncomms13349 
  296. Todo, Yasuyuki; Nakajima, Kentaro; Matous, Petr (2015). «How do supply chain networks affect the resilience of firms to natural disasters? Evidence from the Great East Japan Earthquake» (PDF). Regional Science. 55 (2): 209–229. doi:10.1111/jors.12119 
  297. Matous, Petr; Todo, Yasuyuki (2016). «Energy and resilience: The effects of endogenous interdependencies on trade network formation across space among major Japanese firms». Network Science. 4 (2): 141–163. doi:10.1017/nws.2015.37Acessível livremente 
  298. Smithsonian.com Fault that Caused Japan's 2011 Earthquake is Thin and Slippery, 5 de dezembro de 2013
  299. Christian Science Monitor Japan's monster quake: Do scientists have key to decode future tremblors?, 6 de dezembro de 2013
  300. Urabe, J; Suzuki, T; Nishita, T; Makino, W (2013). «Immediate Ecological Impacts of the 2011 Tohoku Earthquake Tsunami on Intertidal Flat Communities». PLOS ONE. 8 (5): e62779. Bibcode:2013PLoSO...862779U. ISSN 1932-6203. PMC 3641098Acessível livremente. PMID 23650529. doi:10.1371/journal.pone.0062779Acessível livremente 
  301. «Japoneses trabalham para reerguer país depois de terremoto e tsunami em 2011». GZH. 10 de março de 2012. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  302. G1, Do; Paulo, em São (11 de março de 2016). «Tsunami no Japão: fotos mostram antes e depois de áreas destruídas». Mundo. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  303. 南三陸町. «南三陸町震災復興祈念公園が全体開園します». 南三陸町 (em japonês). Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  304. «Museu sobre desastre nuclear é inaugurado em Fukushima | NHK WORLD-JAPAN News». NHK WORLD. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  305. «Iwate Tsunami Memorial Museum». iwate-tsunami-memorial.jp. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  306. «The Iwate Tsunami Memorial Museum: Preserving the Past and Protecting Lives by Passing down the Lessons of Disaster». nippon.com (em inglês). 27 de novembro de 2020. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 

Bibliografia

Ligações externas